Emprego Universidade de Aveiro anuncia estágios com salários de 120 euros para licenciados

Universidade de Aveiro anuncia estágios com salários de 120 euros para licenciados

A plataforma online do Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais da Universidade de Aveiro está a promover junto dos seus actuais e antigos alunos um anúncio para dois estágios onde se oferece uma remuneração mensal de 120 euros.
Universidade de Aveiro anuncia estágios com salários de 120 euros para licenciados
Rui Neves 13 de junho de 2018 às 11:26

O Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais (GESP) da Universidade de Aveiro está a divulgar junto dos seus alunos e antigos alunos um anúncio para dois estágios na área de Design Gráfico e Comunicação onde se oferece uma remuneração mensal de 120 euros.

 

"Este anúncio é inconcebível. Mais inconcebível ainda é o facto de um gabinete de uma universidade pública estar a divulgar tais anúncios", considera o Bloco de Esquerda (BE), tendo dois dos seus deputados, Moisés Ferreira e Luís Monteiro, questionado o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior sobre o assunto, através de uma pergunta enviada para a Assembleia da República.

 

O anúncio em causa, disponível na plataforma online do GESP, pretende recrutar bacharéis e licenciados na área de Design ou indivíduos com Curso de Especialização Tecnológica na área do Design de Calçado e Marroquinaria durante seis meses com um vencimento de 120 euros mensais.

"A remuneração de 120 euros por um estágio é um insulto a qualquer bacharel ou recém licenciado. É a promoção da precariedade e exploração mais abjecta", lê-se no texto assinado pelos dois deputados do BE.

 

A título de exemplo, o BE refere que "os estágios estabelecidos ao abrigo de programas do IEFP que definem uma bolsa de cerca de 600 euros mensais a quem tenha o nível 5 de qualificação (por exemplo, alguém com um Curso de Especialização Tecnológica) e uma bolsa de 707 euros mensais a quem detenha uma licenciatura (valores de bolsa a que acresce a refeição ou subsídio de alimentação e o seguro de acidentes de trabalho)".

 

Perante isto, o BE "exige a retirada de tal anúncio" por considerar "insultuoso e por estar a promover abertamente a exploração e a precariedade de trabalhadores recém formados ou em vias de se formar".

 

Os dois deputados do BE exigem ainda que "a Universidade de Aveiro defina critérios exigentes para a admissão e divulgação de ofertas de estágio e de emprego".

 

Esses critérios, defendem, "devem ter como base a protecção dos direitos laborais dos estudantes e ex-estudantes. Por isso não ser divulgadas propostas que se proponham pagar estágios abaixo dos valores praticados pelos programas do IEFP e propostas que se proponham pagar abaixo das remunerações que são devidas para as qualificações exigidas", preconizam.

 

Para o BE, "as instituições públicas devem lutar por emprego com direitos e devem contribuir para o combate à precariedade e às estratégias de abaixamento de salários. Não podem ser caixas de ressonância da exploração", remata.

 

Na pergunta dirigida ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, através do Parlamento, os dois deputados do BE querem respostas a cinco questões, começando por querer saber se o ministério tutelado por Manuel Heitor "tem conhecimento da situação aqui descrita".

 

"Considera que uma universidade pública deve promover a divulgação, junto dos seus alunos e ex-alunos, de ofertas de estágio e/ou de emprego que claramente não respeitam a lei e que atentam contra os direitos laborais e contra a dignidade no trabalho?" é o teor da segunda questão.

 

Face à situação exposta, o BE questiona: "Que medidas irá tomar para que o Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais da Universidade de Aveiro não volte a divulgar propostas promotoras da precariedade e da exploração laboral?"

 

E "quais são os critérios de publicação e divulgação de anúncios utilizados pelo Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais da Universidade de Aveiro?", quer ainda saber.

 

Por fim, Moisés Ferreira e Luís Monteiro questionam: "Vai o Governo promover, junto deste gabinete, a aplicação de critérios que tenham em conta o respeito pelos direitos no trabalho, vedando a publicação de anúncios que propõem remunerações abaixo do permitido?"




A sua opinião17
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo Há 6 dias

Onde está o país dourado prometido pela traidora Catarina aquando da constituição da geringonça?

Anónimo Há 6 dias

Isso ja inclui o passe da CP? E que eu vou desde Pombal fds

Anónimo Há 6 dias

Ou seja 4 eur por dia. Bom só é preciso arrumar 4 carros por dia, para estar ao nível dos licenciados

Anónimo Há 6 dias

Abriu a época de saldos salariais!
Grande estímulo para fixar jovens no país!
Grande estímulo para fazer regressar os que emigraram!
Foi falha de um zero?
Não, o excesso de zeros está nas dívidas aos bancos!

ver mais comentários
pub