Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Direita grega preparada para reconquistar o poder nas legislativas de domingo

A Grécia vota domingo em eleições legislativas antecipadas que, segundo a generalidade das previsões, devem terminar com a experiência de quatro anos de um governo dominado pelo partido de esquerda Syriza, e no regresso ao poder da direita conservadora.

Reuters
Lusa 05 de Julho de 2019 às 10:09
  • Assine já 1€/1 mês
  • 3
  • ...

A Nova Democracia (ND) surge como a provável vencedora do escrutínio, repetindo a vitória registada nas eleições europeias de 26 de maio passado e nas regionais e municipais que decorreram em simultâneo, com segunda volta a 02 de junho.

 

Diversas sondagens admitem, inclusive, que o partido conservador liderado por Kyriakos Mitsotakis, representante das "dinastias familiares" que têm dominado a política helénica desde o regresso da democracia parlamentar em 1974, poderá obter maioria absoluta.

 

Um recente estudo do instituto Pulse para a televisão privada SKAY fornece 35% dos votos à ND, face aos 26,5% do Syriza-Aliança Progressista, liderado pelo primeiro-ministro Alexis Tsipras.

 

Na terceira posição surge a aliança social-democrata Kinal, dominada pelo antigo Pasok (socialistas), com 6,5%, seguido pelo Partido Comunista (KKE, 5%) e o neonazi Aurora Dourada (CA, 4%).

 

No entanto, é possível que dois outros partidos ultrapassem a barreira obrigatória dos 3% de votos para garantir representação parlamentar: o recém-formado partido ultra-direitista Solução Grega (EL), de Kyriakos Velopoulos, e a Frente da Desobediência Realista Europeia (MeRA25, esquerda) fundada pelo ex-ministro das Finanças Yannis Varoufakis, ambos com 3,5%.

 

Caso se confirmem estas previsões, coincidentes com outros estudos, o partido de Mitsotakis poderá mesmo obter a maioria absoluta dos 300 lugares do Voulí ton Ellínon, o parlamento helénico, ao beneficiar do bónus de 50 deputados atribuído ao partido mais votado.

 

A reforma da lei eleitoral que eliminará esta benesse e imporá um sistema proporcional - aprovada durante os governos do Syriza, aliado durante a maioria do seu consulado com a direita soberanista dos Gregos Independentes (Anel agora sem expressão eleitoral e ausente do escrutínio) -, apenas será aplicada a partir das legislativas seguintes.

 

As sondagens também coincidem no recuo dos neonazis da CA, cuja direção está a ser julgada desde 2015 por assassínio e liderança de grupo criminal, de momento o terceiro partido no parlamento mas que deverá perder metade do eleitorado, como já sucedeu nas europeias de maio.

 

Ao contrário da tendência verificada desde o início da "crise da dívida" grega em 2009, os estudos também preveem uma elevada taxa de participação.

 

O beneficiado poderá ser a ND, que tenta concentrar os votos de toda a direita contra o Syriza, e o Solução Grega, que baseou o seu resultado na rejeição ao acordo de Prespa com o Governo de Skopje sobre a alteração do nome da Macedónia.

 

Em janeiro de 2015, quando chegou ao poder e a dois deputados da maioria absoluta (36,3% dos votos), Tsipras prometeu romper com as draconianas medidas de austeridades impostas por dois memorandos da 'troika' de credores internacionais (Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Comissão Europeia) e devolver a dignidade ao povo grego.

 

Mas apesar do histórico referendo de 05 de julho que rejeitou de forma massiva o novo plano dos credores, o Governo de Tsipras acabou por aceitar em 13 de julho de 2015 um novo memorando de austeridade, com a saída do resgate a ser anunciada três anos depois, em agosto de 2018. 

 

A euforia dos apoiantes da ND, com cada comício a assemelhar-se mais a uma festa de antecipação da vitória que ao anúncio de medidas concretas nos campos social ou económico, contrasta com as críticas à gestão de Tsipras e à desconfiança nos políticos e nas instituições.

 

No entanto, esta alteração iminente na geografia política do país - apesar de Tsipras ter alertado para o regresso dos "dias negros" da austeridade - não provocará estranheza em parte considerável da população. A ND é a alternativa de sempre, e o seu líder pertence a um dos clãs políticos que historicamente tem dirigido o país.

 

Um dos motivos da esperança depositada em Tsipras foi a rutura com as "dinastias políticas" e os esquemas tradicionais da política grega, sempre presentes nos conservadores e nos sociais-democratas do Pasok, agora dissolvido no Movimento para a Mudança (Kinal).

 

A gestão política de Tsipras e do Syriza falhou num aspeto essencial: para além da falta de quadros políticos bem preparados para enfrentar a gestão do poder, o partido não conseguiu garantir uma base social estável e firme para transmitir as suas posições. Mesmo que o seu legado seja reconhecido, o primeiro-ministro não conseguiu seduzir parte importante da população grega.

 

Na sua análise à derrota de maio, o agora designado Syriza-Aliança Progressista considerou que os eleitores ignoraram a mudança de rumo após o fim do resgate, com a aprovação de medidas inseridas no seu programa inicial: restabelecimento dos contratos coletivos, subida do salário mínimo, descida do IVA, eliminação de um novo corte nas pensões.

 

Assim, admitem que grande parte das pessoas que votaram Syriza em 2015 optaram agora por não comparecer às urnas e o partido apenas conseguiu mobilizar 58% dos seus leitores. Uma tendência que se poderá repetir no domingo e a causa decisiva para o regresso dos conservadores ao poder.

Ver comentários
Saber mais Grécia eleições Syriza Nova Democracia
Mais lidas
Outras Notícias