Europa Economia britânica acelera para máximos de 2016

Economia britânica acelera para máximos de 2016

O PIB do Reino Unido acelerou no terceiro trimestre, crescendo ao ritmo mais elevado desde o final de 2016, ano em que os britânicos decidiram sair da União Europeia.
Tiago Varzim 09 de novembro de 2018 às 12:11
A economia britânica cresceu 1,5% entre Julho e Setembro, em comparação com o mesmo período do ano passado. A aceleração é mais notória quando se compara com o trimestre anterior: o PIB do Reino Unido expandiu 0,6% em cadeia, o ritmo mais elevado desde o final de 2016, exactamente o ano em que os britânicos votaram para sair da União Europeia.

Este poderá ser um sinal positivo para a economia do país que, em Março do próximo ano, divorcia-se oficialmente de Bruxelas. Neste momento decorrem as negociações sobre o acordo de saída, existindo a expectativa de que possa concretizar-se até 21 de Novembro.
O motor da economia britânica durante o Verão foi o consumo privado (+0,5%, em cadeia), aliado às exportações. Já o investimento continua em queda (-1,2%, em cadeia) no Reino Unido devido às preocupações sobre o Brexit.

Quanto aos sectores, foram os serviços a dar o maior contributo, apesar do abrandamento. Já o sector da construção e o da indústria deram um contributo menos positivo, mas estão em aceleração.  

Numa análise mês a mês, é possível concluir que em Julho a economia acelerou, mas depois estagnou tanto em Agosto como em Setembro. 

A oscilação da economia britânica durante este ano tem sido afectada por efeitos temporários, o que dificulta a interpretação sobre o rumo da economia. O primeiro trimestre foi pressionado pelo mau tempo.

Já o final do segundo trimestre e o início do terceiro trimestre beneficiaram de um tempo quente que não é habitual, do casamento real e do Mundial 2018. Em Setembro, a alteração da regulação dos automóveis afectou as vendas em toda a Europa. 
"A economia registou um Verão forte, ainda que a tendência de longo prazo do crescimento económico se mantenha deprimida [abaixo do potencial de crescimento]", explica o director do Instituto de Estatística britânico, Rob Kent-Smith. 

De acordo com as previsões da Comissão Europeia, o Reino Unido deverá manter-se este ano e no próximo como uma das economias europeias que menos cresce. Bruxelas prevê uma subida do PIB de 1,3% em 2018 - apenas superior ao de Itália e Dinamarca - e de 1,2% em 2019, o que iguala o crescimento esperado para Itália, o pior de toda a União Europeia.



pub