Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Schulz sai da liderança do SPD para ser o novo MNE de Merkel

“Vou lutar pela renovação da União Europeia”, disse o antigo líder do Parlamento Europeu, que deixou este cargo para concorrer contra a chanceler alemã nas últimas legislativas.

EPA
Negócios jng@negocios.pt 07 de Fevereiro de 2018 às 18:22
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...

Martin Schulz confirmou esta quarta-feira que pretende abandonar a liderança do SPD depois de 4 de Março, data em que partido vai referendar a coligação de governo firmada hoje com a CDU de Angela Merkel.

 

O objectivo de Schulz passa por assumir a pasta dos Negócios Estrangeiros no novo Governo de Angela Merkel. "Vou lutar pela renovação da União Europeia", disse o antigo líder do Parlamento Europeu, que deixou este cargo para concorrer contra a chanceler alemã nas últimas legislativas.

 

Em declarações citadas pela Reuters, o ainda líder do SPD afirmou estar optimista com a votação do referendo do seu partido, que foi agendada para 4 de Março, e que é o último obstáculo à formação da coligação conhecida por "GroKo".

 

Schulz apontou já quem lhe deve substituir à frente do SPD, apontando o nome de Andrea Nahles, que é actualmente líder da bancada parlamentar do partido.

 

Além dos Negócios Estrangeiros, os sociais-democratas conseguiram ficar com algumas pastas importantes. É o caso das Finanças, que era uma das principais exigências, mas também o Trabalho.

 

O novo ministro das Finanças será Olaf Scholz, 59 anos, presidente da Câmara de Hamburgo desde Março de 2011. A Reuters, que cita esta informação, sublinha que o social-democrata tende a favorecer os gastos públicos em detrimento de uma política mais austera, o que "sugere que haverá uma mudança em relação às restritas políticas orçamentais" protagonizadas pelo antigo ministro Wolfgang Schäuble.

 

As eleições alemãs já foram há mais de quatro meses e a vencedora, Angela Merkel, tinha tido até agora dificuldade em encontrar um parceiro com o qual pudesse governar.

 

Num documento de 167 páginas e 14 capítulos que será a base da governação da maior economia europeia nos próximos quatro anos, um dos capítulos prioritários é o reforço da União Europeia. Algo que era exigido por Martin Schulz, que presidiu nos últimos anos ao Parlamento Europeu e que tinha na criação de uma espécie de Estados Unidos da Europa uma das principais bandeiras. O influente chefe de gabinete de Jean Claude Juncker, de origem alemã, já saudou essas várias referências ao bloco europeu, numa publicação feita nas redes sociais.

Ver comentários
Saber mais Martin Schulz União Europeia CDU Angela Merkel Negócios Estrangeiros Governo de Angela Merkel Parlamento Europeu Wolfgang Schäuble
Mais lidas
Outras Notícias