Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Dívida pública desce para 273,8 mil milhões de euros em outubro

Depois do pico nominal atingido em setembro, a dívida pública diminuiu 6,1 mil milhões de euros em outubro, devido sobretudo à amortização de Obrigações do Tesouro. Rácio da dívida no PIB só é conhecido a cada três meses.

Os portugueses têm um recorde de 177,1 mil milhões de euros parados nos bancos. Rendiam uma média de 0,04% em abril, o que compara com uma inflação superior a 7% nesse mês.
Rafael Marchante/Reuters
Susana Paula susanapaula@negocios.pt 02 de Dezembro de 2022 às 11:29
A dívida pública diminuiu para 273,8 mil milhões de euros em outubro, menos 6,1 mil milhões de euros do que no mês anterior, refletindo sobretudo amortizações de Obrigações do Tesouro, divulgou o Banco de Portugal (BdP), nesta sexta-feira, 2 de dezembro. 

Depois do pico de quase 279,9 milhões de euros registado em setembro, a dívida pública na ótica de Maastricht (a que conta para o apuramento das regras de Bruxelas) diminuiu em novembro à boleia de amortizações líquidas de títulos de dívida, de cerca de 6,6 mil milhões de euros.

Em sentido contrário, as responsabilidades em depósitos aumentaram 600 milhões de euros, em resultado de emissões de certificados de aforro (de cerca de 1,4 mil milhões) compensadas por amortizações de certificados do Tesouro (de menos cerca de 700 milhões de euros), descreve o BdP. 

Segundo o banco central, a dívida pública líquida de depósitos das Administrações Públicas aumentou para 254,2 mil milhões de euros em outubro, mais 3,7 mil milhões do que em setembro. Os depósitos das Administrações Públicas reduziram-se em  9,7 mil milhões de euros. 

O Banco de Portugal divulga o rácio da dívida pública no PIB apenas trimestralmente. No terceiro trimestre, a dívida pública reduziu-se para 120,5% do PIB. O valor da dívida do conjunto do ano deverá ser conhecido em fevereiro.
Ver comentários
Saber mais Obrigações do Tesouro Banco de Portugal BdP Administrações Públicas PIB economia negócios e finanças macroeconomia banco central
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio