Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Governo pondera alargar aumentos de doutorados de carreiras especiais

A proposta do Governo prevê também uma valorização em cerca de 400 euros para os técnicos superiores com doutoramento.

DR
Lusa 13 de Julho de 2022 às 16:09
  • Partilhar artigo
  • 3
  • ...
O Governo está a ponderar aplicar uma valorização remuneratória a alguns trabalhadores com doutoramento das carreiras especiais, semelhante à que está prevista para as carreiras gerais, disse esta quarta-feira a secretária de Estado da Administração Pública, Inês Ramires.

A governante falava aos jornalistas no final de uma ronda negocial suplementar realizada a pedido dos sindicatos, na Presidência do Conselho de Ministros, em Lisboa, para discutir as valorizações salariais de ingresso nas carreiras gerais de assistente técnico, em 47,55 euros, e de técnico superior, em 52 euros.

A proposta do Governo prevê também uma valorização em cerca de 400 euros para os técnicos superiores com doutoramento que, segundo disse Inês Ramires, está agora a ser ponderada para as carreiras especiais e subsistentes, como é o caso das carreiras tributária e da saúde.

Segundo a secretária de Estado, a decisão de alargar a medida ocorreu depois de estruturas representativas dos trabalhadores das carreiras especiais terem reivindicado a mesma medida que está a ser preparada pelo Governo para as carreiras gerais quanto aos doutorados.

"O que estamos a tentar equacionar é relativamente a carreiras especiais que não tenham como pressuposto de habilitação o doutoramento ou que não tenham algum tipo de valorização no desenvolvimento da própria carreira", explicou Inês Ramires.

"Estamos a falar de carreiras especiais e de carreiras não revistas que não tenham já como pressuposto ter o doutoramento", excluindo assim carreiras como a de investigação ou universitária, exemplificou.

No âmbito da medida, que será discutida na reunião do Conselho de Ministros de quinta-feira, estão cerca de 500 trabalhadores, disse a governante.

No Conselho de Ministros será também decidida a produção de efeitos das valorizações salariais propostas para as carreiras gerais de assistente técnico e de técnico superior.

A proposta do Governo apresentada em reuniões anteriores aos sindicatos prevê um aumento de 52 euros no salário de entrada dos técnicos superiores, para 1.059,59 euros (estagiários) e 1.268,04 euros (licenciados), e de 47,55 euros na carreira de assistente técnico para 757,01 euros, além da valorização em cerca de 400 euros para os doutorados, para 1.632,82 euros.

A proposta apresentada anteriormente prevê que as valorizações propostas para os técnicos superiores e para doutorados só entrem em vigor em janeiro de 2023, enquanto as valorizações dos assistentes técnicos serão aplicadas este ano com retroativos a janeiro.

Porém, o Governo manifestou esta quarta-feira abertura para fazer retroagir os aumentos a janeiro de 2022, uma decisão que será tomada no Conselho de Ministros.

"O projeto de decreto-lei vai ser apreciado amanhã [quinta-feira] em Conselho de Ministros e será essa a sede que decidirá a sua configuração final", disse a secretária de Estado.

Estas medidas "vão representar que 18,6% dos trabalhadores da carreira de assistente técnico tenham uma valorização de 6,7%" e que "34,5% dos trabalhadores integrados na carreira de técnico superior tenham uma valorização salarial de 4,7%", realçou Inês Rodrigues.

Segundo dados do Governo, o aumento de 47,55 euros vai abranger cerca de 17 mil assistentes técnicos, enquanto a valorização de 52 euros vai chegar a 22 mil técnicos superiores e a valorização dos doutorados a 750 trabalhadores.

As valorizações destas carreiras gerais da administração pública têm um impacto orçamental global previsto de 37,5 milhões de euros.
Ver comentários
Saber mais Inês Ramires Governo função pública salários
Outras Notícias