Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Governo autoriza Fisco a gastar 1,5 milhões com informática até 2019

O Governo autorizou a Autoridade Tributária (AT) a gastar mais de 1,5 milhões de euros em tecnologias de informação até 2019, numa altura em que a informática do Fisco tem estado em debate devido ao caso das 'offshore'.

Cátia Barbosa/Negócios
Lusa 15 de Março de 2017 às 17:59
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
Segundo uma portaria de extensão de encargos que foi publicada esta quarta-feira, 15 de Março, em Diário da República, o secretário de Estado do Orçamento, João Leão, autoriza a AT a "assumir os encargos orçamentais decorrentes da contratação de serviços de manutenção de infraestruturas de tecnologias de informação e comunicação".

Em causa está um total de 1,565 milhões de euros, incluindo IVA, a repartir igualmente por três anos, ou seja, 521,8 mil euros em cada um dos anos 2017, 2018 e 2019.

Desta forma, a AT vai proceder à "aquisição de diversos serviços de infraestruturas de tecnologias de informação e comunicação (TIC), pelo período de três anos", que são consideradas "fundamentais para que o sistema de suporte ao negócio apresente uma equipa suficiente para fazer face às exigências legais, bem como contribuir para uma equilibrada equipa de recursos humanos, capazes de fazer face a todas os parâmetros de exigência no âmbito da administração de plataformas".

A portaria foi publicada hoje em Diário da República, mas já tinha sido assinada por João Leão a 24 de Fevereiro, na mesma semana em que o jornal Público noticiou que quase 10.000 milhões de euros foram transferidos entre 2011 e 2014 para contas sediadas em paraísos fiscais sem qualquer tratamento por parte da AT, embora tenham sido comunicadas pelos bancos à administração fiscal (através de 20 declarações do modelo 38).

No parlamento, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, disse que terá sido uma falha informática a impedir o controlo inspectivo desse montante, uma possibilidade que foi admitida também pelo ex-director-geral do Fisco, José Azevedo Pereira.

Em causa está, alegadamente, o facto de, inicialmente, a informação contida nessas 20 declarações não ter sido correctamente transferida dentro dos sistemas informáticos da AT, fazendo com que, já este ano, o Fisco se tenha apercebido de que quase 10.000 milhões de euros, correspondentes à informação que não foi transmitida correctamente, ficaram por inspeccionar.

Também o anterior director-geral da AT António Brigas Afonso disse que pediu ao Governo a nomeação de um subdirector do Fisco ligado às tecnologias de informação, mas "nunca foi nomeado ninguém".

Entretanto, o Governo pediu uma auditoria à Inspeção-Geral de Finanças (IGF), que está já a investigar o caso - tendo alargado o âmbito da auditoria e pedido o apoio ao Instituto Superior Técnico para realizar uma peritagem às aplicações informáticas da AT.
Ver comentários
Saber mais AT João Leão secretário de Estado do Orçamento secretário de Estado dos Assuntos Fiscais Fernando Rocha Andrade Fisco José Azevedo Pereira António Brigas Afonso Inspeção-Geral de Finanças
Mais lidas
Outras Notícias