Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Escuta do caso "Face Oculta" usada agora para acusar Sócrates

O Correio da Manhã noticia esta quarta-feira que o Ministério Público se prepara para usar uma escuta de uma conversa entre Vara e Laurentino Dias captada no Face Oculta para avançar agora com uma acusação de corrupção contra o ex-primeiro-ministro.

Sócrates: a libertação e a providência cautelar: A 4 de Setembro, o ex-primeiro-ministro é libertado e passa a aguardar julgamento sob prisão domiciliária e sem pulseira electrónica. Em Outubro, uma providência cautelar interposta pela defesa de Sócrates passa a impedir a divulgação de notícias ligadas à 'Operação Marquês' pelo grupo Cofina.
Negócios jng@negocios.pt 15 de Março de 2017 às 10:40
  • Assine já 1€/1 mês
  • 3
  • ...

Armando Vara, então vice-presidente do BCP, e Laurentino Dias, à data secretário de Estado do Desporto, foram apanhados numa escuta durante a investigação do caso "Face Oculta" em que Vara tentava convencer Laurentino a, através de Sócrates, pressionar a Caixa Geral de Depósitos a financiar com urgência o Autódromo do Algarve. E isso apesar de, na mesma conversa, o próprio Vara afirmar que o projecto era "irracional do ponto de vista económico" e um "sorvedouro de dinheiro".

 

A notícia é avançada esta quarta-feira pelo Correio da Manhã, segundo o qual o Ministério Público considera relevante esta escuta para a usar agora como prova na acusação de corrupção que pretende fazer a Sócrates no caso de Vale de Lobo. No interrogatório a que foi submetido esta semana pelo Ministério Público, José Sócrates terá sido confrontado com mais esta escuta, escreve também o jornal. 

 

Sócrates terá alegadamente recebido um milhão de euros para favorecer o empreendimento de Vale de Lobo num conjunto de empréstimos concedidos pela Caixa a um grupo de investidores portugueses que compraram o empreendimento no final de 2006. Esse dinheiro terá ido depois parar a contas bancárias em "offshores" das quais era beneficiário Carlos Santos Silva, o amigo do ex-primeiro-ministro que lhe terá servido de testa-de-ferro. Sócrates nega ter tido qualquer tipo de influência no negócio.

 

O Correio da Manhã escreve agora que Vara afirmava a Laurentino, na referida chamada telefónica, que Sócrates deveria "dar um conforto" junto da CGD, o que permite ao Ministério Público concluir que o então Governante tinha poderes junto do banco público para influenciar as decisões relativamente aos empréstimos e financiamentos.

 

O Ministério Público tem um prazo até esta sexta-feira para avançar com uma acusação no âmbito da Operação Marquês, não sendo certo, ainda, se será possível fazê-lo ou se pedirá novamente um alargamento do prazo.
Ver comentários
Saber mais Armando Vara Face Oculta BCP Sócrates Laurentino Dias CGD Autódromo do Algarve Correio da Manhã Vale de Lobo Carlos Santos Silva Operação Marquês
Mais lidas
Outras Notícias