Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Demissão de Flynn foi uma decisão de Trump motivada por "erosão de confiança"

O porta-voz da Casa Branca revelou que a demissão de Michael Flynn do cargo de conselheiro para a Segurança Nacional foi decidida por Donald Trump devido a uma "erosão da confiança" no general.

Reuters
David Santiago dsantiago@negocios.pt 14 de Fevereiro de 2017 às 19:57
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

Não se tratou de uma "questão legal" mas de uma "questão de confiança", garantiu Sean Spicer, actual porta-voz da Casa Branca, justificando a demissão do general Michael Flynn do cargo de conselheiro da administração norte-americana para a Segurança Nacional.

 

Em conferência de imprensa realizada esta terça-feira, 14 de Fevereiro, Sean Spicer afiançou que a demissão de Flynn foi decidida pelo próprio presidente americano, Donald Trump, e foi tomada na sequência da "erosão de confiança" verificada nas últimas semanas relativamente ao general também conhecido por Mike Flynn.

 

Esta garantia repetida por Spicer contraria a versão dada também esta terça-feira, em diferentes programas de televisão, pela secretária de imprensa da Casa Branca, Kellyanne Conway, que assegurou diversas vezes que foi Mike Flynn a apresentar a sua demissão por considerar que se tinha tornado num elo fraco para a presidência Trump.


"Falei com o presidente esta manhã. Ele pediu-me para falar em seu nome e reiterar que Mike Flynn se demitiu", assegurou esta manhã a secretária de imprensa citada pela CNN.

 

A polémica em torno de Mike Flynn foi desencadeada depois de o Washington Post ter noticiado que este general havia mantido contacto com responsáveis do Kremlin, entre os quais o embaixador russo junto das Nações Unidas, acerca das sanções americanas que pendem sobre a Rússia.

A gravidade desta notícia acentuou-se na medida em que Mike Flynn é conhecido pela proximidade em relação a Moscovo, defendendo políticas pró-russas e surgindo com regularidade em programas da estação televisiva estatal russa RT. Flynn defende o levantamento das sanções impostas por Washington a Moscovo na sequência da anexação unilateral da Crimeia pela Rússia em 2014. Ao longo da campanha também Trump falou sobre o eventual levantar das sanções, aludindo à importância de desanuviar das relações russo-americanas. 

 

Alegadamente estas conversações terão ocorrido antes ainda de Donald Trump ter tomado posse como 45.º presidente dos EUA, o que, a confirmar-se, é ilegal à luz das leis americanas. Sendo que nas respostas aos jornalistas, Spicer fez questão de frisar que na origem da demissão de Flynn estão questões de "confiança" e não "legais".

 

Ainda segundo o Washington Post, foi o Departamento de Justiça que, em Janeiro, avisou a administração liderada por Trump para as declarações falsas proferidas pelo Flynn sobre as conversas com o embaixador russo, que alertou ainda para a posição de fragilidade do general uma vez que poderia ser alvo de chantagem da parte de Moscovo.

 

Segundo a imprensa americana, Flynn transmitiu informações falsas ao vice-presidente americano, Mike Pence, sobre as conversas tidas com responsáveis russos. Fonte não identificada da Casa Branca avançara entretanto que Flynn tinha pedido desculpa a Pence admitindo que a questão das sanções possa ter vindo à baila durante as chamadas telefónicas mantidas com o diplomata russo. 

Sean Spicer confirmou que Trump já tinha sido informado, há semanas (desde 26 de Janeiro), de que Flynn poderia ter tentado iludir a Casa Branca, notando que o presidente americano não demitiu o general mais cedo devido a "questões de segurança" e com o objectivo de "apurar a verdade". Spicer acrescentou que a prioridade inicial para Trump foi perceber "se havia alguma questão legal".

Porém, estas garantias também contradizem, aparentemente, as afirmações feitas por Trump na sexta-feira passada, a bordo do avião presidencial Air Force One. Então questionado sobre a hipótese de Flynn não ter dito a verdade sobre as conversas com o embaixador russo na ONU, Trump garantiu não saber nada sobre esse tema.

Ver comentários
Saber mais Sean Spicer Michael Flynn Donald Trump Estados Unidos Casa Branca Nações Unidas Rússia Mike Pence
Mais lidas
Outras Notícias