Saúde Centeno diz que há má gestão na Saúde

Centeno diz que há má gestão na Saúde

O ministro das Finanças voltou a admitir que está preocupado com os pagamentos em atraso no Serviço Nacional de Saúde.
A carregar o vídeo ...

O ministro das Finanças, Mário Centeno, assumiu que está "preocupado" com o aumento da dívida do Serviço Nacional de Saúde (SNS), admitindo que há "má gestão" na saúde.

 

Falando esta manhã na comissão parlamentar de Trabalho e Segurança Social, e em resposta ao deputado Álvaro Baptista, do PSD, que referiu que desde que o Governo está em funções "a dívida aumentou 627 milhões de euros", o ministro das Finanças admitiu a sua preocupação. 

 

"São questões que nos preocupam, que vão ser resolvidas, que estão a ser resolvidas. Criámos uma unidade de missão para repensar todo o processo de criação de dívida no SNS", disse Mário Centeno, acrescentando que a oposição não pode acusar simultaneamente o Governo de travar o investimento na saúde e de gerar dívida.

 

"Só há dívida quando há despesa. Não pode haver é as duas coisas. Porque os recursos que estão a ser dedicados ao SNS são muito superiores aos que eram em 2015 e pode seguramente haver má gestão. Haverá e temos de olhar para ela", afirmou o governante.

Estas declarações de Mário Centeno surgem depois de o ministro da Saúde ter admitido também no Parlamento no final de Fevereiro que há uma "quantidade significativa" de hospitais em "falência técnica".

Segundo os últimos dados divulgados pela Direcção-Geral de Orçamento (DGO), os pagamentos em atraso das administrações públicas atingiam 1.188 milhões de euros no final de Janeiro, dos quais 951 milhões de euros em dívida em atraso dos hospitais EPE (acima dos 837 milhões de Dezembro e dos 613 de Janeiro de 2017).

 

O ministro espera uma "redução pronunciada dos pagamentos em atraso ao longo de 2018", desde logo devido ao reforço de capital feito no final de 2017 nos hospitais EPE, que "começará a produzir efeitos a partir de Março".

Dos 1,4 mil milhões de euros que foram anunciados para os hospitais poderem amortizar as suas dívidas, 400 milhões de euros foram já transferidos no final do ano, apesar de o valor ainda não ter sido totalmente executado. Adalberto Campos Fernandes anunciou que para breve estaria também o desbloqueamento de mais 500 milhões de euros, bem como uma outra tranche no mesmo valor.

 

Estas verbas irão, segundo o ministro, "corrigir a fragilidade orçamental dos EPE [hospitais Entidades Públicas Empresariais]" e "permitir retirar da falência técnica uma quantidade significativa de EPE". 

No final de Janeiro, o ministro das Finanças, Mário Centeno, reconheceu no parlamento que existe um problema com os pagamentos aos fornecedores na saúde, justificando o facto com o aumento de investimentos no sector.




A sua opinião48
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 14.03.2018

No Reino Unido, após o início das necessárias e muito acertadas reestruturações, existiam em 2016 menos 6100 administrativos e mais 30000 colaboradores clínicos do que em 2010. E asseguro que o número de 6100 já cresceu entretanto... "A Department of Health spokesman said: “We expect all parts of the NHS to have safe staffing levels – making sure they have the right staff, in the right place, at the right time.” He said the NHS now employed 6,100 fewer managers and almost 30,000 more clinical staff than in 2010." https://www.theguardian.com/society/2016/jan/29/hospitals-told-cut-staff-nhs-cash-crisis

comentários mais recentes
pertinaz 15.03.2018

ESTE SEM TINO SACODE A ÁGUA DO CAPOTE E COM O ANTÓNIO COSTA FAZ A CAMA AO MINISTRO DA SAÚDE...

CAMBADA DE INCOMPETENTES E PREGUIÇOSOS...!!!

Anónimo 14.03.2018

A saúde tem que ser financiada pelos Estados. É-o em toda a parte. Agora é óbvio que se os fundos são desviados para excedentarismo sindicalizado de carreira no universo desses mesmos Estados, as contas ficam desequilibradas e os hospitais entram em situação de falência técnica.

E tem muita Razão 14.03.2018

Esta Jogada de Lóbis, como a Pressão injustificável do Lóbi das Pontes, das Escolas, dos Monumentos, da Saúde, agora dos Hospitais, que nos vem ameaçando os Cofres dos nossos Impostos, Personalizados por o novo PSD, uma Pernilha do PR, Tem forçado o País a Nova Queda, o Povo já está experimentando e

Anónimo 14.03.2018

Na saúde não, é em toda a coisa pública portuguesa.

ver mais comentários
pub