Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Portugal tem menos produção biológica mas utiliza menos fertilizantes

Portugal produz menos agricultura biológica, mas compara bem em termos médios na menor utilização de fertilizantes e pesticidas.

DR
Alexandra Machado amachado@negocios.pt 22 de Julho de 2021 às 11:53
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...
Portugal tem uma menor área agrícola dedicada à produção biológica, mas no total das explorações para este setor utiliza menos fertilizantes e pesticidas, de acordo com uma análise feita pelo INE à agricultura em função dos objetivos do pacto europeu ecológico ("green deal"), revelada esta quinta-feira, 22 de julho

Portugal tinha, no final de 2019, 5,3% da sua superfície agrícola utilizada (SAU) em produção biológica, menos que os 5,9% que estavam registados em 2016 em toda a União Europeia. E muito longe dos 25% que a União ambiciona ter em 2030.

Isto apesar de Portugal ter mais do que duplicado (+112,2%) a sua superfície para produção biológica desde 2009.

Mas se em termos de produção biológica Portugal ainda tem caminho a fazer, a redução de fertilizantes e pesticidas na restante agricultura está a caminhar no bom sentido.

Segundo o INE, a utilização de fertilização inorgânica em Portugal reduziu-se 34,7% no período entre 2000 e 2019, quando na União Europeia a redução foi de apenas 9,5%. Na União Europeia, a quantidade de fertilizantes minerais disponível reduziu-se a um ritmo médio anual de 0,5% entre 2000 e 2019, enquanto em Portugal a queda foi de 2,2% ao ano.

O objetivo traçado é que na União a redução atinja pelo menos 20% até 2030, ainda que o INE alerte para o facto de não haver ainda uma clarificação quanto ao período de monitorização da meta e sobre o limiar de consumo a partir do qual se poderá comprometer a atividade agrícola.

Ainda assim quantifica que uma redução de 20% sobre a quantidade de 2019, assumindo que a superfície utilizada se mantém, "levaria a um consumo nacional de fertilizantes de 24,5 quilos/hectare da superfície utilizada em 2030".

Já em relação aos pesticidas químicos, Portugal reduziu o risco da sua utilização em 34% em 2018 face ao período 2011-2013, quando a queda na União Europeia desse risco situou-se em 17%. O objetivo é reduzir em 50% o risco em 2030.

As vendas de herbicidas, inseticidas e fungicidas em Portugal, em 2019, caíram, por seu lado, 31,5% face a 2011, o que compara com a queda de 4,1% na União Europeia. Ainda assim, em Portugal foram vendidos 2,2 quilogramas de substância ativa dos principais grupos de pesticidas por hectare de superfície utilizada em 2019, valor superior à média europeia (1,8 quilogramas de substância ativa por hectare de SAU).

O INE chama a atenção para o facto da venda destes produtos variarem de ano para ano, "de acordo com as condições climatéricas e problemas fitossanitários do ano agrícola, mas também da retirada de substâncias ativas do mercado ou inclusão de novas, assim como pela evolução das práticas agrícolas e da ocupação cultural".

Em relação às emissões de gases com efeito de estufa, se em termos globais Portugal contribuiu para aumentar as emissões europeias - que ainda assim baixaram - não foi pela agricultura que tal aconteceu. Em termos gerais, na União a 27, as emissões baixaram 24,0% em 2019 face a 1990, mas em Portugal aumentaram 12,6%.

Ainda assim o contributo da agricultura para as emissões em Portugal encontra-se próximo do que acontece na média europeia. O contributo da agricultura na União para o total das emissões foi de 10,3% em 2019, sendo em Portugal 10,1%. A Irlanda é o estado-membro em que a agricultura tem maior peso, representando 32,4% do total das suas emissões.

Assim, se as emissões totalizaram na União Europeia menos 1,2 mil milhões de toneladas de CO2 equivalente em 2019 face a 2009, das quais 102 milhões (8,6%) provenientes do setor agrícola, em Portugal o aumento em 7,6 milhões de toneladas de CO2 equivalentes das emissões, no setor agrícola caiu 3,8%.
Ver comentários
Saber mais Portugal agricultura INE
Outras Notícias