Banca & Finanças PS, PSD e CDS-PP chumbam nacionalização do Novo Banco proposta por BE e PCP

PS, PSD e CDS-PP chumbam nacionalização do Novo Banco proposta por BE e PCP

O texto do PCP referia a "urgência" em assegurar a "direcção pública do Novo Banco, adquirindo ao fundo de resolução a totalidade do capital, enquanto o BE pedia "rigorosa avaliação do seu balanço" e "o apuramento consequente de todas as responsabilidades".
PS, PSD e CDS-PP chumbam nacionalização do Novo Banco proposta por BE e PCP
Bruno Simão/Negócios
Lusa 03 de fevereiro de 2017 às 13:02
As bancadas parlamentares do PS, PSD e CDS-PP votaram hoje juntas contra os projectos de resolução do PCP e do BE que defendiam a manutenção do Novo Banco na esfera pública.

Comunistas, bloquistas, ecologistas e o deputado único do PAN votaram a favor de ambas as iniciativas, que acabariam por ser "chumbadas" por socialistas, sociais-democratas e democratas-cristãos.

O texto do PCP referia a "necessidade urgente de assegurar a direcção pública do Novo Banco, adquirindo ao fundo de resolução a totalidade do capital, com a respectiva remuneração dos empréstimos concedidos, a nomeação dos órgãos sociais e a elaboração de um plano estratégico para a banca pública que estabeleça os objetivos materiais e temporais".

O BE recomendava ao Governo do PS que "proceda à nacionalização do Novo Banco" e "promova e garanta" uma "rigorosa avaliação do seu balanço", "a melhor defesa dos interesses financeiros do Estado" e "o apuramento consequente de todas as responsabilidades, anteriores e decorrentes da resolução", além de um "debate alargado e democrático sobre o seu desígnio estratégico".

O Novo Banco foi criado em Agosto de 2014 para trasladar os activos não tóxicos do extinto BES (Banco Espírito Santo), mas acumulou 2.000 milhões de euros de prejuízo desde então.

Através do fundo de resolução da banca, o Estado injectou 3.900 milhões de euros nesta instituição bancária devido aos riscos de contaminação do sector e, entretanto, dilatou os prazos para que os restantes bancos do mercado o reembolsassem.

Em Setembro de 2015, um primeiro processo de venda foi cancelado porque o Banco de Portugal considerou que nenhuma das propostas apresentadas era suficientemente razoável.



pub

Marketing Automation certified by E-GOI