Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

AdC pune sete empresas de vigilância em 41 milhões de euros por cartel em concursos públicos

Além das coimas, as empresas do Grupo 2045, a Comansegur, a Grupo 8, a Prestibel, a Prosegur, a Securitas e a Strong Charon ficam inibidas de participar em procedimentos de contratação pública por meio ano, à exceção desta última por ter colaborado com a investigação.

A Concorrência divulgou a sua posição sobre as propostas dos partidos para travarem as comissões bancárias.
João Miguel Rodrigues
Diana do Mar dianamar@negocios.pt 13 de Julho de 2022 às 17:08
  • Partilhar artigo
  • 1
  • ...

A Autoridade da Concorrência (AdC) aplicou uma coima no valor total de 41,2 milhões de euros a um conjunto de sete empresas que prestam serviços no setor da vigilância e segurança por atuarem em cartel em concursos públicos. 

Em causa figuram as empresas do Grupo 2045, a Comansegur, a Grupo 8, a Prestibel, a Prosegur, a Securitas e a Strong Charon que, além das coimas, "face à gravidade das infrações", foram alvo de uma sanção acessória que as exclui da participação em procedimentos de contratação pública pelo período de seis meses. A exceção foi para a Strong Sharon por ter colaborado na investigação.

Segundo a AdC, "as empresas coordenaram a participação em procedimentos de contratação pública repartindo entre si clientes e fixando os níveis de preços dos serviços a prestar", numa prática que durou "desde 2009 até, pelo menos, 2020, ou até 2018, no caso da Strong Charon".


"Neste cartel, as empresas mantiveram um acordo secreto a partir do qual combinaram a apresentação de propostas fictícias, a supressão de propostas ou até mesmo a exclusão de participação nos procedimentos, para garantirem a contratação da empresa escolhida entre elas", aponta a AdC, no mesmo comunicado, realçando que os serviços de segurança que prestam foram contratados por hospitais, universidades, ministérios, agências públicas e câmaras municipais.

Uma prática que, aponta, constitui uma "violação clara à Lei da Concorrência" e que leva "a condições menos favoráveis para os adquirentes públicos do que as que resultariam de uma situação de concorrência efetiva, traduzindo-se, por sua vez, em preços mais elevados, qualidade inferior ou menos inovação".

"O conluio compromete a eficiência na afetação dos recursos públicos e mina o objetivo de 'mais e melhor por menos' da contratação pública, acabando por lesar consumidores e contribuintes", reforça o organismo no mesmo comunicado.

O processo foi desencadeado na sequência de "várias denúncias e exposições apresentadas por entidades públicas no âmbito da campanha de Combate ao Conluio na Contratação Pública, que a AdC tem vindo a levar a cabo desde 2016".

Seguiram-se diligências de busca e apreensão nas instalações das empresas em 2019, após as quais a Strong Charon requereu acesso ao Programa de Clemência e colaborou com a AdC, o que lhe veio a valer uma dispensa parcial da coima, realça a entidade liderada por Margarida Matos Rosa.


A coima mais pesada recaiu sobre a Securitas (10,3 milhões de euros), seguindo-se a Prosegur (8,1 milhões) e a Prestibel (6,02 milhões). Já o Grupo 2045 foi sancionado com uma coima de 5,9 milhões de euros, o Grupo 8 com 5 milhões de euros e a Strong Charon com 4,66 milhões de euros e, por fim, a Comansegur com 1,1 milhões de euros.

As decisões sancionatórias da AdC podem ser objeto de recurso, embora este não suspenda a execução das coimas.
Ver comentários
Saber mais economia negócios e finanças Informação sobre empresas grandes empresas crime lei e justiça AdC
Outras Notícias