Empresas Como uma empresa de 357 anos se reinventou no século XXI

Como uma empresa de 357 anos se reinventou no século XXI

Ser dono de uma empresa com 357 anos de história dá alguma perspetiva.
Como uma empresa de 357 anos se reinventou no século XXI
Bloomberg
Bloomberg 13 de julho de 2019 às 19:00

O Van Eeghen Group foi fundado em Amesterdão em 1662 e a família ainda é dona do negócio, que se reinventou ao longo dos séculos. Negociou lã e vinho, ajudou a financiar o então recém-criado Estados Unidos da América e direcionou os negócios para café, cacau, vegetais desidratados e especiarias após a Segunda Guerra Mundial.

 

A sua longa história apresenta muitos erros e apostas certeiras, incluindo uma aposta na imigração norte-americana que incluiu a compra de cerca de 5,5 milhões de acres em Nova Iorque e na Pensilvânia antes de se desfazer do imóvel por um pequeno lucro em 1840 (a família admite ter vendido um pouco cedo demais).

 

Hoje, é especializada em adquirir ingredientes especiais, como extratos de plantas para produtos como alimentos infantis e suplementos nutricionais, negócio que estabeleceram em 1991. O administrador Jeroen van Eeghen, de 41 anos, vem da 15.ª geração da dinastia, tendo assumido o cargo em 2012 de Willem, de 70 anos, primo do seu pai.

 

A dupla discutiu a sua visão sobre empresas familiares, sucessão e o desafio de equilibrar a tradição com o progresso numa entrevista dada à Bloomberg na sede da empresa em Amesterdão, em abril.

 

O que é único na vossa empresa?

Jeroen van Eeghen: De uma forma geral, acho que não precisamos de pessoas muito oportunistas. Claro que somos dinâmicos, mas tem que haver um pouco de sensibilidade de longo prazo e também valorização dos funcionários e coisas assim.

 

Quão importante é o crescimento versus estabilidade?

JVE: Se se permanecer horizontal, em determinado momento desaparecerá. Temos crescido bastante agressivamente nos últimos anos. Então não pensem que estamos apenas de mãos dadas. As vendas quase triplicaram em relação a 2013. Mas, talvez haja alguma razão para que no ano que vem não cresçamos. Aí, vou explicar ao conselho e vai ficar tudo bem - se eu tiver uma boa razão. Não haverá ninguém na reunião de acionistas - se houver uma boa razão para isso - que diga: ‘Porque é que não crescemos 10% este ano?’

 

Como é que a família planeia a sucessão?

Willem van Eeghen: A sucessão é diferente em cada geração. A maneira como lidámos com a contratação de Jeroen foi excelente. Nós terceirizámos o processo de contratação. Em 2011, o conselho supervisor enviou uma carta para a família e disse que eu estava prestes a reformar-me. Nós também dissemos que se nenhum candidato qualificado se apresentasse, nós olharíamos para fora da família. As pessoas tinham que enviar uma carta de apresentação e um currículo. Eles fizeram um comité com um "head hunter" externo, uma pessoa de recursos humanos e fizeram a avaliação preliminar.

 

Por que vocês mudaram para ingredientes funcionais?

WVE: Estávamos a trabalhar com café e cacau e eu não gostava da negociação. O mercado tinha mudado de tal forma que ou se faz em larga escala, como a Cargill faz, ou não se faz. Caso contrário, fica-se preso em algum lugar. Precisávamos de fazer outra coisa e eu pensava realmente em algo que precisasse de mais conhecimento, para que a entrada de novatos não fosse fácil. E alimentos funcionais encaixam-se muito bem. Eu estava fazer o trabalho no Japão, vi suplementos em lojas e pensei que isso era algo realmente novo.

 

 

O que é que 357 anos de história trazem?

JVE: Perspetiva. Por volta de 1900, poderia argumentar que éramos uma das empresas mais poderosas da Holanda. E falei com um historiador e eles disseram que por volta de 1800 também éramos uma das maiores casas na América. Entre esse período houve um mergulho. Se olhar em termos mais longínquos, poder-se-á manter sucessos e fracassos em perspetiva.

 

Porque é que o van Eeghen sobreviveu?

WVE: Ajuda que a família não esteja dependente do dividendo. Há muitas empresas familiares em que os acionistas se tornaram mais dependentes do pagamento de dividendos e, se é um ano mau, precisam de vender a casa. Tivemos uma assembleia de acionistas onde anunciámos dividendos e nossos acionistas disseram: "Nós não precisamos disso, ponham nas reservas".

 

Qual é a sua história familiar favorita?

WVE: Suzanna Block era da segunda geração nos anos 1700. O marido morreu cedo. Ela teve três filhos, mas quando o marido morreu, os seus filhos eram demasiado jovens para assumir o poder. Então assumiu ela. Era altamente raro que uma mulher assumisse a liderança naquela altura. Era um mundo machista dominado por homens. O filho mais velho acabou por assumir o controlo, mas depois o filho morreu e Suzanna Block voltou a assumir o controlo. Então ela assumiu duas vezes. Salvou a empresa. Costumam dizer que as empresas familiares não sobrevivem duas ou três gerações. Esse foi quase o nosso caso.

 

(Texto original: How a 357-Year-Old Company Reinvents Itself for the 21st Century)




Marketing Automation certified by E-GOI