Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Habidecor abre duas novas lojas na China

A empresa portuguesa de têxteis-lar Habidecor & Abyss vai inaugurar até ao final de Setembro duas novas lojas na China, elevando para 10 o total de representações no país, anunciaram hoje os representantes na China da empresa de Viseu.

Negócios com Lusa 18 de Setembro de 2006 às 11:20
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A  empresa portuguesa de têxteis-lar Habidecor & Abyss vai inaugurar até ao final de Setembro duas novas lojas na China, elevando para 10 o total de representações no país, anunciaram hoje os representantes na China da empresa de Viseu.

Wu Bin, da consultora Market Access, que representa a Habidecor no mercado chinês, afirmou, citado pela agência Lusa, que «com a abertura até ao final do mês das novas lojas em Qingdao, na costa nordeste da China, e em Suzhou, perto de Xangai, no leste do país, a Habidecor & Abyss terá 10 lojas no mercado chinês».

A Habidecor & Abyss inaugurou na sexta-feira a primeira loja em Xangai, num centro comercial da principal rua comercial da cidade, o centro económico, financeiro e comercial da China e onde a indústria e o consumo de moda estão mais desenvolvidos.

Além de Xangai, a empresa tem já quatro lojas em Pequim, uma em Hangzhou, na província oriental de Zhejiang, e duas lojas em Tianjin, cerca de 100 quilómetros ao norte de Pequim.

Wu Bin considerou que a presença da Habidecor & Abyss no mercado chinês «é um sucesso que se deve a factores como a selecção de um bom parceiro de distribuição no mercado local, excelentes produtos e excelente imagem de marca e uma estratégia de vendas e distribuição apropriada e específica para o mercado chinês».

Baseada em Viseu, onde trabalham cerca de 200 pessoas, a empresa, que entrou em 2005 no mercado chinês, tem escritórios na Bélgica e nos Estados Unidos. A Habidecor & Abyss tem uma facturação anual média que ronda os 15 milhões de euros. A empresa está presente em mais de 40 países, com os Estados Unidos da América a assegurar 30% das vendas globais e a Europa entre 40% e 50%.

Ver comentários
Outras Notícias