Empresas HNA planeia eliminar 100 mil postos de trabalho este ano

HNA planeia eliminar 100 mil postos de trabalho este ano

Os accionistas chineses da TAP estarão a avaliar a possibilidade de cortarem 100 mil empregos este ano. Esta pode ser assim mais uma medida que o conglomerado chinês tem em curso para fazer face à crise de liquidez.
HNA planeia eliminar 100 mil postos de trabalho este ano
Reuters

A HNA, a empresa chinesa que detém uma participação na transportadora portuguesa TAP, está a planear cortar 100 mil empregos, ou cerca de um terço da sua força de trabalho, ainda este ano. A notícia está a ser avançada pela REDD e citada pela Bloomberg.

O conglomerado chinês prevê eliminar empregos em áreas como recursos humanos, operações de negócios e reestruturação de activos, de acordo com a mesma fonte. Esta redução na força de trabalho da empresa nestas áreas corresponde a unidades que a HNA poderá vender.

Além disso, este corte na força de trabalho surge numa altura em que a empresa enfrenta uma crise de liquidez.

No início do ano, a HNA admitiu que enfrentava algumas dificuldades ao nível da liquidez. Em entrevista à Reuters, a 18 de Janeiro, o chairman do conglomerado chinês explicou que os problemas de liquidez existem "porque fizemos um grande número de fusões", numa altura em que a economia do país passou "de um crescimento rápido a moderado", penalizando o acesso do grupo a financiamento.

"A subida dos juros por parte da Reserva Federal e a desalavancagem na China provocaram problemas de liquidez no final do ano passado a muitas empresas chinesas", afirmou Chen Feng, citado pela agência noticiosa, acrescentando, porém, estar "confiante que vamos superar as dificuldades e manter um desenvolvimento sustentável, saudável e estável".

Já no final do ano passado, o grupo revelou que pretendia vender cerca de 20 imóveis comerciais no valor de 6 mil milhões de dólares (5,09 mil milhões de euros ao câmbio actual), incluindo edifícios em Nova Iorque, Londres e outras grandes cidades mundiais.

E no final de Janeiro, o conglomerado chinês avançava que pretendia alienar cerca de 100 mil milhões de yuan (12,7 mil milhões de euros) em activos no primeiro semestre, para ajudar a pagar a sua dívida e recuperar de um crise de liquidez que tem pesado sobre os negócios do conglomerado chinês.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 28.02.2018

O combate ao daninho excedentarismo sindicalizado de carreira em Portugal faz-se ruinosamente tarde, sai muito caro e dá-se, de forma manifestamente escandalosa, a conta gotas. Da Escandinávia e Ilhas Britânicas ao Extremo Oriente e à América do Norte, o despedimento deste tipo de praga que outra coisa não tem feito do que extrair valor de Estados, economias e sociedades, é prática comum e faz-se por inteiro há muito tempo. Basta ler as fontes noticiosas internacionais mais credíveis e bem sucedidas para constatá-lo.

comentários mais recentes
Anónimo 28.02.2018

Continuo a ler e a ouvir uma estirpe de criminosos lusos a afirmar desbragadamente que não existiu, não existe e nunca existirá um excedentário em Portugal. Acham que isso da gestão de recursos humanos com recurso ao despedimento num mercado laboral flexível, é só "lá fora" nas economias e sociedades mais ricas e avançadas, que, contudo, invejam. Se a loucura tem nomes, os nomes desses criminosos têm o nome da loucura. Existe efectivamente um grave problema de saúde pública em Portugal...

Anónimo 28.02.2018

O combate ao daninho excedentarismo sindicalizado de carreira em Portugal faz-se ruinosamente tarde, sai muito caro e dá-se, de forma manifestamente escandalosa, a conta gotas. Da Escandinávia e Ilhas Britânicas ao Extremo Oriente e à América do Norte, o despedimento deste tipo de praga que outra coisa não tem feito do que extrair valor de Estados, economias e sociedades, é prática comum e faz-se por inteiro há muito tempo. Basta ler as fontes noticiosas internacionais mais credíveis e bem sucedidas para constatá-lo.

pub