Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Joaquim Coimbra promete pagar 58 milhões em 2036

Os credores de Joaquim Coimbra, accionista dos falidos BPN e BPP, aprovaram os planos de recuperação do empresário, que tem dois anos de carência e só terá de pagar 70% da dívida de 81,5 milhões de euros em 2036.

Correio da Manhã
Rui Neves ruineves@negocios.pt 10 de Outubro de 2016 às 21:49
  • Assine já 1€/1 mês
  • 36
  • ...
Joaquim Coimbra, de 65 anos, conseguiu convencer os seus credores a dar-lhe mais 20 anos para pagar uma dívida gigantesca: os créditos reclamados nos dois Processos Especiais de Revitalização (PER) do empresário – o apresentado em nome individual (juntamente com a sua esposa) e o da sua "holding" pessoal JVC  – rondam os 165 milhões de euros, valor que baixa para cerca de metade (81,5 milhões) quando expurgadas as garantias bancárias e outros títulos de responsabilidade.

cotacao A sustentabilidade do cumprimento do plano prende-se directamente com
a capacidade de libertação de fundos por parte das sociedades pertencentes ao grupo Joaquim Coimbra.
andrade miranda Advogado de Joaquim Coimbra
Aprovado há um mês por 73% dos credores, o plano de recuperação financeira do casal Coimbra incide sobre créditos da ordem dos 60 milhões de euros.  Ainda à espera de homologação judicial pelo Tribunal da Comarca de Coimbra, o plano propõe o pagamento (após dois anos de carência) de 17,5 milhões de euros, em prestações anuais, até 2036, ano fixado para a liquidação dos restantes 42,5 milhões de euros.

No caso da JVC Holding, o plano de recuperação, aprovado por 99% dos credores e já homologado pelo Tribunal da Comarca de Viseu, incide sobretudo sobre os créditos do Novo Banco, no montante de cerca de 22 milhões de euros. À semelhança do PER individual, também aqui, após dois anos de carência, o empresário terá 18 anos para pagar 30% da dívida, pelo que só no último ano prestacional é que terá de desembolsar os remanescentes 70%. Contas feitas, só em 2036 é que terá de pagar o grosso da dívida: cerca de 58 milhões.

Em ambos os PER, "a sustentabilidade do cumprimento dos planos prende-se directamente com a capacidade de libertação de fundos por partes das sociedades pertencentes" a Joaquim Coimbra, adiantou Andrade Miranda, advogado do empresário, em declarações ao Negócios.

A amortização dos créditos também se fará por recurso à venda de activos, estando ainda prevista a dação em pagamento relativamente a alguns credores. "Os créditos existentes garantidos com garantia real (penhor, penhor financeiro, hipoteca) extinguir-se-ão mediante a dação em cumprimento dos bens e/ou activos que lhe servem de garantia, desde que o credor respectivo titular aceite expressamente essa dação em cumprimento, com indicação do crédito concreto que aceita que se extinga", lê-se no plano de recuperação do casal Coimbra.

Dono de um grupo com interesses em sectores como a produção de vinhos, agro-alimentar, energias renováveis, metalurgia e equipamentos de frio, passando pelo imobiliário e até a comunicação social (semanário Sol), foi na banca, com investimentos desastrosos nos falidos BPN e BPP, que Joaquim Coimbra desbaratou a fortuna ganha na venda da Labesfal e da JABA a grupo estrangeiros. Contactado via telemóvel, o empresário não atendeu.

Reclama 58 milhões ao BIC e BPP Joaquim Coimbra e a sua esposa, Maria João Coimbra, garantem ser detentores de créditos provenientes de operações financeiras, no valor global de 58 milhões de euros, que geraram litígios judiciais contra o BIC (sucessor do BPN) e o BPP. No primeiro caso, o casal intentou, em 31 de Maio do ano passado, uma acção judicial de condenação reclamando uma indemnização de 43 milhões de euros; relativamente ao BPP, que se encontra em liquidação, o casal Coimbra pede que seja declarada a extinção, por compensação, dos créditos de dois financiamentos, de 7,5 milhões de euros cada, totalizando assim 15 milhões de euros.
Ver comentários
Saber mais Joaquim Coimbra JVC PER Processo Especial de Revitalização BPN BPP BIC Labesfal JABA BCP Coldkit
Outras Notícias