Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Apagão no Texas expõe riscos da “eletrificação de tudo”

Sistemas de aquecimento doméstico desligados, hospitais com escassez de água e refinarias de petróleo encerradas: o tempo gelado e nevado do Texas expôs a rapidez com que um sistema de energia pode colapsar generalizando o caos. O que levanta questões sobre a vulnerabilidade das redes de energia em todo o mundo, quando mais partes da nossa vida quotidiana estão a ser eletrificadas.

Bloomberg
Bloomberg 21 de Fevereiro de 2021 às 12:11
  • Assine já 1€/1 mês
  • 8
  • ...

Os operadores das redes elétricas modelam a fiabilidade dos seus sistemas para lidar com condições climáticas adversas. As mudanças climáticas estão a provocar mais desses eventos nas duas extremidades do termómetro. Setores como os transportes e aquecimento, cada vez mais eletrificados, são considerados vitais para reduzir as emissões que contribuem para o aquecimento global, mas as redes podem não ser capazes de lidar com a carga.

 

"Os riscos para os consumidores de energia estão a aumentar à medida que uma casa típica eletrifica uma parcela cada vez maior de seu consumo de energia", afirma Sanjeet Sanghera, analista de energia da BloombergNEF em Londres. "Está-se a colocar todos os ovos no mesmo cesto."

 

A procura global deve aumentar 60% até 2050, de acordo com a BNEF, à medida que veículos elétricos, dispositivos inteligentes e a Internet das Coisas se tornam mais comuns. A BNEF estima que o investimento global em infraestrutura de rede possa aumentar para 28,7 biliões de dólares durante aquele período para apoiar a triplicação da capacidade renovável. Um montante maior do que o PIB dos EUA.

 

O desafio que os políticos enfrentam é como tornar esses gastos comportáveis ??para os clientes. Na Grã-Bretanha, as tarifas de rede já representam 22% da fatura de energia. Estima-se que a Europa precisará de gastar 4,9 biliões de dólares nas suas redes, dos quais 45% apenas para fortalecer o que já existe.

 

A maior economia do continente, a Alemanha, tem como meta 10 milhões de veículos elétricos nas estradas até 2030, um impulso que pode aumentar a procura de eletricidade em 10%, diz Andreas Loeschel, professor de Economia da Energia da Universidade de Muenster.

 

A China é o maior mercado de veículos elétricos do mundo e a rede de energia está a tentar manter estes carros em marcha. A State Grid Corp. of China, que opera a infraestrutura de mais de 80% do país, gastou 376 mil milhões de dólares em projetos nos últimos cinco anos e vai investir mais 350 mil milhões até 2025. A segunda maior economia do mundo quer atingir a neutralidade carbónica até 2060.

 

"Haverá um aumento significativo na complexidade por causa de mais pontos de conexão que serão necessários e também de mais procura", afirma Gerhard Salge, diretor de tecnologia da Hitachi ABB Power Grids, o maior instalador do mundo.

 

A crise no Texas expôs os pontos fracos da rede dos Estados Unidos, que precisam de ser consertados para ajudar a alcançar a meta do presidente Joe Biden de um sistema de energia livre de emissões até 2035. Um estudo encomendado pela associação comercial WIRES, antes dessas interrupções, calcula que será necessário investir até 600 mil milhões de dólares até 2050.

 

As temperaturas abaixo de zero são raras no Texas e a recente massa de ar ártica provocou o caos com o congelamento das pás das turbinas eólicas, o encerramento de centrais elétricas, a solidificação do petróleo e gás líquido em oleodutos e poços.

 

Este mês foram batidos novos recordes de procura na Europa, com o tempo gelado a afetar vários países, mas não houve apagões. Um motivo: o gás é usado mais amplamente para aquecimento do que a eletricidade, pelo que a carga é distribuída por uma rede diferente.

 

Essa vantagem pode desaparecer em breve, no entanto. À medida que a União Europeia implementa o seu Pacto Verde, os sistemas de aquecimento precisam de deixar de usar o gás para se descarbonizar.

 

Outra razão para a resiliência da Europa ao frio é que cerca de 41% das linhas de energia de baixa tensão do continente - aquelas que atendem principalmente a comunidades residenciais - ficam no subsolo, o que as torna menos vulneráveis ??ao clima, de acordo com a Europacable, uma associação do setor.

 

Eventos climáticos extremos mais frequentes

 

Embora a tempestade no Texas seja um evento que ocorre uma vez numa década, os eventos climáticos extremos estão a acontecer com mais frequência. No ano passado, os EUA sofreram um recorde de 22 desastres climáticos, com perdas superiores a mil milhões de dólares, de acordo com a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional.

 

A pior onda de calor em várias gerações atingiu a Califórnia em agosto e desencadeou os primeiros apagões desde 2001. O estado tem uma ambiciosa política de energia limpa - obtendo cerca de um terço da sua geração de fontes renováveis ??- mas a procura quase recorde testou essa mudança. Os reguladores dizem que isso não pode voltar a acontecer e estão a dar ordem às concessionárias para que encontrem fontes de energia alternativas, como a construção de baterias gigantes e a contratação de mais capacidade de centrais a gás.

 

"As temperaturas extremas estão a colocar novos testes aos sistemas de energia", escreveram os analistas da Agência Internacional de Energia Keith Everhart e Gergely Molnar num relatório de 18 de fevereiro. "Evitar grandes interrupções nos sistemas elétricos também é crucial para garantir um apoio social sólido para as transições de energia limpa."

 

O estado da Austrália do Sul sofreu um apagão geral em setembro de 2016, depois de tempestades derrubarem linhas de energia. O que alimentou o debate sobre a fiabilidade das energias renováveis num país dominado pelo carvão. Os parques eólicos representavam cerca de 48% da eletricidade do estado na época.

 

Em 2050, cerca de 70% da capacidade energética da Europa será eólica e solar. A rede precisará de melhores formas de coletar e distribuir essa eletricidade, e o armazenamento em baterias será crucial para tornar o sistema mais resistente a condições climáticas extremas.

 

Uma crítica apontada ao Texas é que a sua rede está isolada do resto dos EUA, pelo que as empresas de energia não podiam pedir ajuda aos estados vizinhos.

 

"Estamos na fase inicial de desenvolvimento, onde devemos continuar e até mesmo acelerar", afirma Salge. "Sem isso, não teremos hipótese de atingir as ambiciosas metas da neutralidade carbónica."
Ver comentários
Saber mais Texas Apagão Eletrificação Europa China EUA
Outras Notícias