Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Governo quer que a ERSE controle preços dos combustíveis e do gás de botija

Depois das reduções de preços do gás natural, o Governo quer que a ERSE tenha uma especial atenção aos preços praticados no mercado de combustíveis e de gás de botija.

André Cabrita-Mendes andremendes@negocios.pt 28 de Novembro de 2016 às 20:24
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O Governo espera que o novo regulador do mercado de combustíveis e de gás engarrafado torne estes mercados mais transparentes.

Depois das reduções de preços obtidas no gás natural, o Executivo quer que a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) tenha uma especial atenção nos preços praticados em Portugal nestes dois mercados.


A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) já vigia os mercados de electricidade e de gás e vai passar a monitorizar em 2017 os combustíveis e o gás de garrafa.

"As expectativas em relação ao futuro e às consequências do trabalho sobre o mercado dos combustíveis e do gás de garrafa são enormes", disse o secretário de Estado esta segunda-feira, 28 de Novembro.

"O Governo conta com o trabalho do regulador para abrir estes sectores à transparência, com maior rigor no funcionamento do mercado, tendo como objectivo a economia nacional e os consumidores finais", sublinhou durante o evento que marcou o lançamento do livro "A regulação de energia em Portugal: 2007-2017".

Uma das missões da ERSE será precisamente o controlo dos preços neste mercado, à semelhança do que aconteceu no gás natural.

"Pretende-se transpor para estes sectores, as boas práticas de controlo de preços e de transparência, que este ano levaram a descidas dos preços de gás natural de18% e ao aumento mais baixo da electricidade nos últimos 10 anos", apontou o secretário de Estado da Energia.

"A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos será o regulador de todo o serviço energético, e não apenas de parte", sublinhou.

A ERSE também vai ganhar a coordenação de "tarefas de grande relevo" no sistema eléctrico nacional, como a "visibilidade dos CMEC que antes eram realizados pelas próprias empresas do sector", disse em referência aos Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual.

O mercado de energia também vai sofrer várias alterações em 2017, como a realização de "processos competitivos na garantia de potência ou na interruptibilidade, que até agora eram definidos por preços fixados administrativamente".

"Com efeito, o sistema eléctrico nacional ainda comporta muitos custos fixos, ou fixados administrativamente, que comprometem os preços para o consumidor final", disse o secretário de Estado da Energia.

Ver comentários
Saber mais Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos ERSE Governo secretário de Estado da Energia Jorge Seguro Sanches energia combustíveis gás natural gás engarrafado gás de botija
Mais lidas
Outras Notícias