Imobiliário Encontrar casa que possam pagar é a maior dificuldade dos portugueses

Encontrar casa que possam pagar é a maior dificuldade dos portugueses

A maior dificuldade para os portugueses, tanto aqueles que querem comprar casa (25%), como aqueles que querem arrendar (36%), é encontrar um imóvel que possam pagar.
Encontrar casa que possam pagar é a maior dificuldade dos portugueses
Raquel Murgeira 16 de maio de 2018 às 12:29

A principal dificuldade para os portugueses que procuram casa, quer seja para arrendar (36%) ou comprar (25%), é encontrar um imóvel por um preço que consigam pagar, de acordo com um estudo feito pela Imovirtual, divulgado esta quarta-feira, 16 de Maio.

O estudo concluiu ainda que o processo de procura de casa demora menos de 6 meses e que a família é a principal razão na compra de habitação (30%). Já o "investimento" é a segunda razão para comprar um imóvel (19%), seguido de "mudar de casa" (14%), "mudar para uma casa maior" (15%) e "deixar de pagar renda" (9%).

Os resultados do estudo da Imovirtual mostram que durante o processo "há um grande empenho na procura de casa". Cerca de 71% dos arrendatários e 64% dos compradores procuram por imóvel pelo menos cinco vezes por semana, sendo os portais agregadores de anúncios de casas a fonte de pesquisa mais usada pelos compradores (64%) e pelos arrendatários (47%).

Além do preço dos imóveis, encontrar uma casa que corresponda às necessidades surge como a segunda dificuldade para quem quer arrendar um imóvel (25%) e para quem quer comprar (22%). Quanto às restantes dificuldades, comparar oportunidades (8% em ambos os casos), fazer uma oferta (8% para ambos) e agendar uma visita (5% para arrendatários e 4% para compradores) são os principais factores onde quem procura casa sente uma maior necessidade de ajuda, de acordo com o comunicado da Imovirtual.

O principal critério de escolha de casa é a localização (75%), seguida pelo preço (50%) e pelo número de quartos (40%). No entanto, razões como a área da propriedade e a proximidade aos transportes públicos pesam na decisão na hora de procurar habitação.

 
Relativamente às tipologias dos imóveis, 75% dos que procuram uma casa para arrendar querem um apartamento, enquanto 17% procura uma moradia. Já quando a intenção é comprar, 52% procura uma moradia, enquanto 40% dos futuros compradores procuram um apartamento.

O estudo foi realizado entre Fevereiro e Março, tendo sido conduzido através de um inquérito online junto de 2.000 pessoas residentes em Portugal que tenham comprado ou arrendado casa nos últimos dois anos ou tenham a intenção de o fazer no próximo ano.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo Há 5 dias

O que vale é que a moda do turismo é sempre passageira.

Anónimo Há 5 dias

O governo deverá obrigar a restringir fortemente as consdiçoes oferecidas pelos bancos no credito à habitação.Com isso diminuirá a especulação dos preços de venda criando condiçoes de rentabilidade a quem investe para arrendar com rendas a preços que os inquilinos possam pagar.

Anónimo Há 5 dias

O problema é que uma casa comprada por 150 0000 euros que renda deveria ter para ser reavido a construção e dar rendimento.A colocação destas poupanças são rentáveis?Renda a 500, 00 euros durante 25 anos e depois?Ainda n percebi este mercado.Impostos,concertos etc.?

Massamá e o Centro Histórico Há 5 dias

Tivemos um PM de direita q comprou casa e foi viver em Massamá. Os de esquerda querem viver no centro histórico e querem q lhes paguem a renda! Boa!

pub