Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Pandemia ameaça império imobiliário de 22 mil milhões do dono do Chrysler

Em pouco mais de duas décadas, René Benko passou de um jovem que não concluiu o ensino secundário e que fazia renovações de sótãos na Áustria a um magnata ao comando de um império imobiliário global de 22 mil milhões de dólares.

Bloomberg 03 de Abril de 2021 às 15:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Em Nova Iorque, é dono do icónico Chrysler Building. Em Viena, do luxuoso Park Hyatt Hotel. Em Berlim, do amplo armazém de lojas KaDeWe.

A ascensão de Benko foi impulsionada por uma aposta de que o valor dos seus imóveis só pode ir numa direção: para cima. A estratégia do empresário de 43 anos tem como base a teoria de que apenas a Igreja Católica e a Rainha de Inglaterra se podem orgulhar de um portefólio comparável de locais exclusivos, como ele gosta de dizer aos empregados.

Os valores totais dos ativos na sua unidade principal - a Signa Prime Selection - devem ter aumentado cerca de 10% em 2020, abrindo caminho para mais um ano de bons resultados, segundo fontes próximas das finanças do grupo. Em contraste, a pandemia obriga outras gestoras imobiliárias a reduzirem o valor estimado de muitas lojas, centros comerciais e hotéis centrais.

Uma análise de centenas de documentos regulatórios austríacos - como relatórios anuais e de reuniões de acionistas a portas fechadas - e entrevistas com dezenas de pessoas com conhecimento das operações de Benko oferecem um vislumbre sem precedentes da estrutura da sua rede e revelam o quanto o seu negócio depende de que os valores dos ativos continuem a subir.

Mesmo uma mera estagnação no valor contabilístico das suas propriedades poderia impactar os lucros, enquanto uma queda pioraria as métricas financeiras que são essenciais para o seu financiamento.

 

O crescimento do mercado imobiliário na última década sustentou a capacidade da empresa de captar recursos e pagar dividendos aos investidores, ajudando a atrair companhias como a Madison International Realty, de Nova Iorque, a família Peugeot, de França, e a seguradora alemã R+V Versicherung.

Mas, com os confinamentos da pandemia a deixarem grandes cidades com lojas e hotéis vazios, esse modelo corre o risco de colidir com as forças do mercado.

"Mesmo imóveis de retalho bem-posicionados em excelentes localizações centrais devem ter perdido um certo valor" no ano passado, disse Jakub Caithaml, analista do setor imobiliário da corretora tcheca Wood & Co., que cobre gestoras imobiliárias austríacas, mas não a Signa Prime, que não é cotada. "Sem surpresa, o mesmo se aplica a hotéis de primeira classe".

Para as empresas de Benko, a reviravolta no mercado coincide com o maior escrutínio de agências reguladoras do setor financeiro. Os reguladores perceberam o papel cada vez mais importante do seu império nos empréstimos imobiliários austríacos.

Em 2019, a Autoridade do Mercado Financeiro (FMA, na sigla em inglês) do país expressou preocupação sobre a exposição do Raiffeisen Bank International depois da participação do banco num empréstimo sindicado à Signa Prime, segundo mensagens de email entre funcionários da FMA vistas pela Bloomberg News. Tanto o banco como o regulador não quiseram comentar.

No início do mês, o Conselho de Estabilidade do Mercado Financeiro do país começou a monitorizar "riscos sistémicos decorrentes do financiamento de imóveis comerciais muito de perto", porque alguns setores, especialmente os relacionados ao retalho e turismo, foram "atingidos de forma particularmente dura pela pandemia", disse em comunicado.

Benko cresceu num pequeno apartamento em Innsbruck, onde a mãe trabalhava numa creche e o pai numa concessionária de serviços públicos municipal. Ainda no ensino secundário, o empresário vendia apólices de seguro e outros serviços financeiros para a AWD Holding e entrou no ramo imobiliário ajudando a transformar sótãos empoeirados em espaços habitáveis. Faltou a tantas aulas que não conseguiu fazer os exames finais.

Ver comentários
Outras Notícias