Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Concorrência vai investigar Apple após queixa do Spotify

As queixas do Spotify foram ouvidas por Bruxelas, que vai agora investigar os seus fundamentos. Em causa estão alegadas práticas anti-concorrenciais por parte da Apple.

DR
Negócios jng@negocios.pt 06 de Maio de 2019 às 09:27
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

Bruxelas vai lançar uma investigação formal sobre alegadas práticas anti-concorrenciais da Apple, apontadas pelo Spotify, avança o Financial Times.

 

A investigação surge depois de o serviço de streaming ter apresentado queixa em relação à taxa de 30% que a Apple recebe pelas subscrições feitas através da App Store, um "imposto", como descreveu o CEO do Spotify Daniel Ek, numa publicação divulgada no site, destinado a prejudicar serviços de streaming que competem com o próprio serviço da Apple, o Apple Music. 

 

O Sportify atingiu no mês passado os 100 milhões de subscritores da versão paga do serviço, mantendo-se o líder desta indústria. Contudo, a concorrência de gigantes da tecnologia como a Apple e a Amazon é cada vez mais premente.

 

"A Apple exige que o Spotify e outros serviços digitais paguem um imposto de 30% sobre as compras feitas através do sistema de pagamento da Apple, incluindo a atualização do nosso serviço gratuito para o Premium. Se pagarmos esse imposto, isso obrigar-nos-ia a aumentar artificialmente o preço da nossa assinatura Premium bem acima do preço do Apple Music. E para manter o nosso preço competitivo para os nossos clientes, isso não é algo que possamos fazer", escreveu Daniel Ek.

Como alternativa, acrescentou o CEO do Spotify, se escolherem não usar o sistema de pagamento da Apple, a fabricante do iPhone "aplica uma série de restrições técnicas que limitam a experiência dos nossos utilizadores" e que incluiram, ao longo do tempo, bloquear o Spotify nos serviços da Apple, como o Siri, HomePod e Apple Watch.

Neste sentido, o serviço de streaming sublinhou que "não pretende um tratamento especial", mas simplesmente o mesmo tratamento que recebem outras apps como a Uber e Deliveroo, que não estão sujeitas à taxa e, por conseguinte, às restrições. 

Ver comentários
Saber mais Amazon App Store Spotify Bruxelas Financial Times Daniel Ek Apple Music Sportify Premium economia negócios e finanças tecnologias de informação ciência e tecnologia
Outras Notícias