Tecnologias Google despediu 48 funcionários por assédio sexual nos últimos dois anos

Google despediu 48 funcionários por assédio sexual nos últimos dois anos

O gigante tecnológico Google anunciou hoje que despediu 48 funcionários por alegado assédio sexual nos últimos dois anos, disse o director-geral da empresa, Sundar Pichai.
Google despediu 48 funcionários por assédio sexual nos últimos dois anos
Lusa 26 de outubro de 2018 às 01:05

Num documento interno dirigido aos funcionários, depois de o New York Times ter referido que a Google tinha abafado alguns casos, Sundar Pichai explicou que entre os empregados despedidos estão 13 altos funcionários.

 

O director-geral garantiu que nenhum dos funcionários recebeu qualquer indemnização, apesar de o jornal New York Times informar que a Google ignorou vários casos de assédio de altos funcionários, entre eles Andy Rubin, criador do sistema Android.

 

De acordo com o jornal, Rubin foi forçado pela administração a deixar a Google em 2014 devido a uma acusação de assédio sexual, mas recebeu cerca 90 milhões de dólares de indemnização.

 

"Nos últimos anos, fizemos muitas mudanças, incluindo a adopção de uma linha dura em relação a comportamentos inadequados de pessoas em posições de autoridade", assegurou Sundar Pichai, garantindo que a Google investigará qualquer reclamação de um funcionário e tomará as medidas que considerar adequadas.

 

Um porta-voz de Andy Rubin disse que este deixou a Google de forma voluntária e que "nunca se comportou de maneira inadequada", assinalando que qualquer relacionamento que possa ter ocorrido foi "consentido".