Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia
Ao minuto04.11.2022

"Obrigado por terem vindo. Até para o ano." Marcelo encerra Web Summit

Acompanhe aqui, ao minuto, os principais desenvolvimentos na Web Summit, nesta sexta-feira.

Sérgio Lemos
04.11.2022

O digital é a chave para os desafios do futuro, diz Marcelo Rebelo de Sousa.

"Paddy, és o maior. És mesmo". Marcelo Rebelo de Sousa voltou a vestir o fato de super estrela ao subir ao palco da Altice Arena para encerrar a Web Summit, como tem feito habituralmente.

O Presidente da República é uma figura acarinhada pelos participantes do evento, que pontuam o discurso do chefe de Estado com aplausos e ovações. Muitos aplaudem de pé.

Ao entrar, Marcelo deu um abraço aparatoso a Paddy Cosgrave e elogiou a Web Summit. "Aqui estamos. Conseguimos. Mesmo depois da pandemia e da guerra. Quem diria? Até tive a surpresa de ver Noam Chomsky, que estudei na faculdade. Aos 94 anos, ele está vivo, muito vivo. Sinto-me muito melhor com a minha idade", brincou, arrancando gargalhadas ao público.

O Presidente da República enumerou os desafios para para o futuro: a paz, a reconstrução da Ucrânia, a economia, a transição energética e a ação climática. "Para todos estes desafios precisamos do digital. O digital é o que vai fazer a diferença", concluiu Marcelo Rebelo de Sousa. "Obrigado por terem vindo. Até para o ano."

04.11.2022

"Metaverso não quer substituir o mundo real" assegura chefe de produto da Meta

Ouvimos agora no palco principal Naomi Gleit, chefe de produto da Meta, a falar sobre o metaverso. A responsável indica que o objetivo deste novo mundo virtual não é substituir o mundo real, mas sim complementar, já que "o arco da tecnologia é para que ela exista de forma cada vez mais imersiva".

Para a responsável da dona do Facebook o metaverso é o futuro da internet, que será feito a três dimensões, não se cingindo apenas aos videojogos e à utilização de óculos de realidade virtual.

Aliás, o uso de óculos VR, cada vez mais desenvolvidos pelas mais variadas empresas, como a Microsoft e a Apple (que deve lançar agora o seu primeiro "headset"), tem muitas possibilidades. Para Naomi Gleit, uma delas é o uso desta nova realidade para treinar operações cirúrgicas, ou mesmo para uso do próprio cirurgião, tendo disponível mais informação, através do uso de óculos de realidade virtual.

Mas há ainda outra solução, o metaverso pode vir a criar novos espaços de trabalho. O exemplo dado pela chefe de produto da Meta são as reuniões por Zoom, que em vez de caixas com a cara das pessoas pode vir a ser uma realidade no próprio metaverso, criando uma noção de espaço e de proximidade entre as pessoas, principalmente com o áudio espacial.

O objetivo da Meta é em primeiro lugar fazer chegar "estas novas criações através dos produtos atuais, que têm mais de três mil milhões de utilizadores", tais como o Facebook ou Instagram. E o futuro para lá caminhará, explica, uma vez que o grande objetivo é que toda a população mundial venha a ter um dispositivo VR.

Relativamente à questão se a Meta quer ser a "dona" do metaverso, Naomi Gleit, responde que "nenhuma empresa vai ser dona do metaverso e que o objetivo é que seja aberto" e possa ter a contribuição de todos.

04.11.2022

Web Summit já gerou 50 terabytes de informação, diz CEO da Altice

Desde o arranque da edição de 2022 da Web Summit até à manhã desta sexta-feira foram gerados 50 terabytes de dados, indicou esta tarde, no palco principal do evento Ana Figueiredo, CEO da Altice Portugual. "Para termos uma perspetiva, é o equivalente a um milhão de filmes em alta definição".

Na sua curta intervenção, a responsável disse que sentia que a Altice, apesar de estar em Portugal há alguns anos, se sentia sempre o "new kid on the block".

Ana Figueiredo apresentou o trabalho da empresa ("líder em Portugal e num dos maiores grupos internacionais de telecomunicações") e congratulou-se com a parceria com a Web Summit, em vigor desde 2016. "Se estiverem ligados ao wifi e se estiver a funcionar, somos nós que o permitimos", referiu.

04.11.2022

Mais de 2.000 voluntários na Web Summit

No palco principal faz-se um agradecimento especial à equipa de voluntários que está presente na edição deste ano da Web Summit.

A maioria vem de Portugal, mas há de vários países como Indonésia, México, Paquistão, Angola ou Canadá.

No total são mais de 2.000 voluntários, maioritariamente estudantes, que ajudam a receber e encaminhar os participantes. Algumas dezenas deles subiram ao palco para receberem o aplauso do público.

04.11.2022

NATO envolve startups nos seus planos militares

"Vocês devem-se estar a perguntar o que é que um membro da NATO está aqui a fazer", brincou o secretário-geral adjunto, David Van Weel, para momentos depois esclarecer que tinha vindo à Web Summit para conversar sobre a mais nova iniciativa tecnológica da aliança transatlântica e também sobre o seu fundo de inovação.

A DIANA, Inovação da Defesa para o Atlântico Norte, juntará os que trabalham no setor militar com as startups, investigadores científicos e empresas tecnológicas para resolver os desafios de militares dos países aliados com recurso à tecnologia, com a situação geopolítica a piorar no último ano com a guerra na Ucrânia.

"Para termos sucesso, temos de fazer coisas diferentes do passado e tirar partido das tecnologias, por isso, estamos a desenvolver a DIANA e temos mil milhões de euros no nosso fundo de inovação para apoiar estas iniciativas", disse. 

Questionado sobre se o recurso ao setor privado fazia com que perdessem credibilidade, o secretário-geral adjunto disse que as tecnologias estão a fazer a diferença no campo da defesa. "Basta olhar para o caso da Ucrânia - a Ucrânia só se está a conseguir defender porque tem acesso a tecnologia", acrescentou. 

"Temos grandes startups a desenvolver tecnologia e queremos utilizá-las em todo o mundo", rematou.

04.11.2022

Musiversal é a startup mais promissora do Road 2 Web Summit

O CEO da Startup Portugal, António Dias Martins, anunciou esta sexta-feira, os vencedores do Road 2 Web Summit, numa parceria entre a Startup Portugal, a Galp e a Web Summit. Foi distinguida a startup mais promissora, com uma menção honrosa para a startup mais dinâmica.

Os anúncios foram feitos por Teresa Abecasis que faz parte do conselho executivo da Galp. A startup mais promissora foi a Musiversal, que permite aos músicos gravar em tempo real, de forma mais acessível. Já a menção honrosa foi para a Wind Credible, uma startup que produz energia eólica. 

Entraram na competição cerca de 100 startups de todo o país. "É incrível ver as empresas portuguesas a competir a nível internacional. É um sinal de que o escossistema português se está a desenvolver muito rapidamente", disse o responsável pela área das startups na Web Summit, Ricardo Lima. 

O CEO da Startup Portugal, António Dias Martins, vai mais longe e diz que espera levar algumas destas startups a outras conferências, incluindo a Web Summit no Brasil.

04.11.2022

Free Now anuncia a integração de transportes públicos na sua aplicação

O CEO da Free Now, Thomas Zimmermann, anunciou, em declarações à Lusa, que a plataforma de mobilidade é a primeira a oferecer serviços de transporte público, primeiro na Alemanha e, posteriormente, no resto dos mercados europeus.

Thomas Zimmermann falava à Lusa à margem da Web Summit, cuja sétima edição termina hoje em Lisboa.

O serviço está disponível "primeiro na Alemanha e depois vamos escalar pela Europa", afirmou o gestor, referindo que ainda não tem uma data para Portugal.

Lusa

04.11.2022

Fernando Medina defende valor estratégico para o país da Web Summit

Fernando Medina falou há momentos sobre inovação e competitividade tecnológica de Portugal, acabando por endereçar também a Web Summit, o aeroporto e a TAP.

Num painel sobre como as finanças públicas apoiam a inovação, o ministro das Finanças começou por explicar que a ideia principal de trazer a Web Summit para Lisboa não foi a economia criada pelos três dias do evento, mas a do "valor estratégico" – que se provou enorme dado o desenvolvimento do ecossistema nacional, o crescimento das IT que tem sido visto nos últimos anos e que estará em parte associado a ligações criadas no evento.

Ler mais.

04.11.2022

Daniela Braga defende inteligência artificial. "Vai ajudar as pessoas"

Daniela Braga, CEO da Defined.ai, voltou esta sexta-feira a subir ao palco principal da Web Summit, num painel com Shawn Kerrigan, co-fundador da Plus, que desenvolve camiões de condução autónoma, para debater o futuro da inteligência artificial.

"A inteligência artificial vai ajudar as pessoas, vai retirar-lhes todo o trabalho rotineiro, toda a parte chata", defendeu a portuguesa, quando questionada sobre os riscos da inteligência artificial vir substituir as pessoas.

Shawn Kerrigan concorda. "Neste momento, a inteligência artificial dedica-se a aumentar e automatizar. É o seu foco atual. É muito mais isso que substituir as pessoas ou os nossos trabalhos."

04.11.2022

Primeiro dia da Web Summit com 31.350 transações eletrónicas no recinto

A SIBS - que volta em 2022 a ser parceira oficial da Web Summit - revelou esta sexta-feira que, na quarta-feira dia 2 de novembro, no primeiro dia oficial do evento, com todos os pavilhões em funcionamento, foram realizadas pelos participantes 31.350 transações eletrónicas.

O valor representa uma subida de 44% face ao primeiro dia da edição de 2021. Já o valor médio por compra, indica a SIBS, foi de 12,9 euros. O pico registou-se pelas 13:24

Na infografia partilhada com as redações, é indicado que foram utilizados cartões de pagamento de 116 nacionalidades diferentes. Do bolo total, só 18% das transações foram feitas por português, com os estrangeiros a representaram 82%.

Por nacionalidades, no top cinco estão o Reino Unido (com 11,1% dos pagamentos), a Alemanha (8,3%), o Brasil (5,4%), os Estados Unidos (4,9%) e a Ucrânia (4,3%). Mantêm-se assim, os mesmos países mais representados na edição de 2021, com exceção da Polónia, que foi substituída este ano pelos Estados Unidos.

04.11.2022

Agricultura indoor pode ser a chave para a crise alimentar

Tatsiana Zaretskaya, CEO da Laava Tech, falou há minutos no papel chave da agricultura indoor, ou de interior/vertical na resolução da crise alimentar mundial.

Segundo a empresária, com as alterações climáticas, crescente população mundial, pandemia e agora a guerra na Ucrânia, há já escassez de produtos e uma verdadeira crise alimentar global que urge endereçar. A empresária diz que esta tempestade perfeita só se combate com mudança de rumos que garantam que não haja escassez mas também que a comida seja saudável e seja produzida de forma sustentável.

A agricultura indoor, já considerada por vários especialistas como mais sustentável, utiliza menos químicos e ocupa menos espaço e menos solos. O objetivo de empresas como a sua Laava Tech, baseada na Estónia, é de levar o mais brevemente possível este formato a todo o mundo, frisou.

04.11.2022

Portugal é dos países que menos sofre com a crise energética, diz CEO da EDP

Num painel sobre a transição energética da Europa, o CEO da EDP, Miguel Stillwell d'Andrade fez questão de realçar que é necessário cumprir com as metas de transição energética e que o uso de carvão para a produção de energia, em alguns países da Europa, é um período de transição e que irá eventualmente desaparecer.

Quanto à situação energética da Europa, o responsável afirmou que "não tem uma bola de cristal", mas que a dependência energética do Velho Continente em 2023 é a grande questão. Quanto a 2022, diz estar confiante e que, com o armazenamento cheio na maioria dos 27 Estados-membros, não deverão existir problemas - "estamos prontos para o inverno deste ano".

O CEO da EDP explica que a maior questão neste momento não é a falta de investimento, nem os subsídios do estado que diz já não serem necessários. A questão que se levanta é como investir e todo o processo de implementação desta mudança transitória dos combustíveis fósseis para as renováveis. A par disso, o armazenamento também é um aspeto "crítico" no que toca à evolução europeia.

Stillwell apontou ainda que Portugal é um dos países da Europa que menos sofre com a crise energética, muito devido ao facto de ter atingido as metas de fim da produção de carvão no final de 2021, e tem agora cerca de 25% da energia produzida a partir de fontes renováveis. Algo que para o responsável "foi um esforço na altura [em que se começou a produzir a partir de renováveis], mas que é agora uma espécie de seguro".

De acordo com o CEO da energética os portugueses apenas tiveram um aumento de 1,8% nas contas da energia neste período.

Relativamente à dependência energética e aos problemas nas importações de gás de países como a Nigéria e Trinidad e Tobago, o responsável da EDP salientou que Portugal ainda está dependente de energia produzida no exterior.

Miguel Stillwell d'Andrade terminou a intervenção reiterando a necessidade de "estabilidade", seja na sociedade ou em termos de políticas governamentais para o setor da energia e para a expansão da produção de energia renovável.

04.11.2022

Vistos e medidas para nómadas digitais são também para “trazer portugueses de volta”, diz Rita Marques

A Secretária de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Rita Marques, acredita que 2023 vai ser um ano muito positivo em termos de captação de nómadas digitais mas destaca: a atração que se deseja criar é para trazer pessoas de todo o mundo a viver e trabalhar em Portugal, mas também para trazer portugueses, ainda que empregados lá fora, de volta.

Rita Marques participou há instantes num painel na Web Summit sobre os nómadas digitais, onde o tema central foi, claro, a recorrente eleição do nosso País como um dos melhores, ou o melhor consoante a fonte, local para nómadas digitais do mundo.

Leia mais aqui.

04.11.2022

Desde o aparecimento do Banco Central Europeu já desapareceram cinco mil bancos

Richard Werner, professor de banca e finanças em Oxford, relembra a importância de bancos comunitários numa das primeiras conferências do dia na Web Summit.

O académico, também com atividade no mundo das startups, explica que "os grandes bancos querem fazer dinheiro" e que, por isso, "só querem fazer grandes acordos com grandes empresas".

A existência de mais bancos comunitários facilita todo o processo, revela, permitindo que pequenas e médias empresas consigam ter acesso ao dinheiro de forma mais rápida, quando comparado com instituições financeiras de grande dimensão em que os mesmos processos são mais demorados.

Como exemplo, Richard Werner fala sobre a China e explica que este é o país com maior número de pequenos bancos, atrás apenas dos Estados Unidos, processo que foi iniciado nos anos 1970. Quanto à Europa, o economista revela que desde o aparecimento do Banco Central Europeu já desapareceram cinco mil bancos e o caminho é continuar este processo de centralização.

Relativamente aos processos tecnológicos, o professor de Oxford defende que estas instituições financeiras de menor dimensão não só têm o "conhecimento da comunidade", bem como a última tecnologia disponível e usam-na como uma "ferramenta".

04.11.2022

Night Summit com a capacidade máxima

Pelas 23:15 de quinta-feira a applicação da Web Summit deu sinal: a Night Summit - o pós evento para onde os participantes são convidados a ir para relaxar e conversar - tinha atingido a sua capacidade máxima.

Na última noite, o encontro deu-se na Rua Cor de Rosa, no Cais do Sodré. Na noite anterior, tinha acontecido no Pavilhão Carlos Lopes. E na terça-feira, depois do noite inaugural que deu o tiro de arranque para a Web Summit, os participantes foram convidados a seguiram para o Hub Criativo do Beato.

Esta manhã, o palco principal arranca com um debate sobre o futuro das criptomoedas e o impacto da web 3.0 na economia e na sociedade.

Ver comentários
Saber mais Web Summit economia negócios e finanças tecnologia
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio