Bolsa Bolsa nacional mantém-se em queda e acompanha congéneres

Bolsa nacional mantém-se em queda e acompanha congéneres

A bolsa de Lisboa continua a negociar em terreno negativo, com a maioria das cotadas em queda. Entre as restantes praças europeias, o sinal menos continua a ser dominante.
Bolsa nacional mantém-se em queda e acompanha congéneres
Bruno Simão/Negócios
Ana Laranjeiro 22 de março de 2017 às 13:18

No início da sessão, as principais praças europeias negociavam em queda. A meio da sessão, sensivelmente, o panorama mantém-se. Wall Street fechou ontem também em queda, com os investidores começarem a demonstrar algum nervosismo com a ausência de medidas concretas ao nível fiscal e económico.

A administração Trump ainda não apresentou efectivamente o seu plano económico e a especulação que não conseguirá reduzir os impostos como propôs tem desestabilizado os mercados. Os futuros de Wall Street seguem em queda.


A liderar as descidas no Velho Continente está o principal índice holandês, que recua 1,15%, seguido pelo britânico Footsie, que desvaloriza 0,81%.


Em Lisboa, o PSI-20 desce 0,50% para 4.612,74 pontos, com 15 cotadas em queda, três em alta e uma inalterada.

O BCP recua 2,14% para 16,47 cêntimos, aliviando um pouco dos ganhos recentes.


A retalhista Jerónimo Martins desvaloriza 0,68% para 15,445 euros. A concorrente Sonae perde 1,15% para 86,1 cêntimos.


A Nos perde 0,55% para 4,904 euros.

A Pharol, que detém mais de 20% da Oi, desvaloriza 3,40% para 36,9 cêntimos. Foi ontem noticiado que os credores internacionais da operadora brasileira Oi solicitaram ao Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, no Brasil, uma audiência de conciliação com os representantes da operadora. Ainda esta quarta-feira serão conhecidos os resultados de 2016 da operadora brasileira. 

No sector energético, a Galp cede 0,04% para 13,365 euros, isto numa altura em que os preços do petróleo recuam no mercado internacional, a reflectir o aumento das reservas dos EUA, que tem anulado o impacto dos cortes entre os membros da OPEP. O Brent do Mar do Norte, referência para as importações nacionais, desce 1,37% para 50,26 dólares por barril, tendo já tocado em mínimos de 30 de Novembro, dia em que os membros da OPEP acordaram os cortes.


Por outro lado, a EDP avança 1,41% para 2,94 euros. O jornal económico espanhol Expansión avança esta manhã que a JPMorgan aliou-se à Swiss Life para apresentar uma oferta pela filial espanhola da EDP, a Naturgas.

A EDP Renováveis soma 0,57% para 6,155 euros. Na edição desta quarta-feira, 22 de Março, o Negócios avança que Manso Neto, líder da empresa de energias limpas, está entre os melhores CEO da Europa.

A REN desvaloriza 0,97% para 2,653 euros.


A travar uma queda mais pronunciada do principal índice da bolsa de Lisboa estão também as acções da Novabase, que crescem 0,33% para 3 euros.




Marketing Automation certified by E-GOI