Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

CFO do BCP: É normal que quem subscreveu acções a 9,4 cêntimos aproveite para vender

O CFO do banco considera que é normal que haja oscilações acentuadas após operações de aumento de capital.

Miguel Baltazar/Negócios
Patrícia Abreu pabreu@negocios.pt 09 de Fevereiro de 2017 às 11:52
  • Assine já 1€/1 mês
  • 80
  • ...

As acções do BCP seguem a negociar em mínimos históricos, nos 13,27 cêntimos por acção, com o banco a prolongar a forte queda registada nas duas últimas sessões. Um movimento que Miguel Bragança considera que "é normal" após este tipo de operação. Para o CFO do banco, quem comprou acções a 9,4 cêntimos no aumento de capital poderá estar a aproveitar para realizar uma mais-valia.

"Quem subscreveu a acção a 9,4 cêntimos é normal que tenha oportunidade para vender. Há algum ‘profit taking’", observou Miguel Bragança, quando questionado sobre a forte desvalorização acumulada pelas acções do banco nos últimos dias, numa sessão especial de comemoração da admissão à negociação dos novos títulos, na Euronext Lisbon.

O CFO do BCP adiantou que "é normal nos aumentos de capital haver muitas oscilações" e quem "consegue subscrever muito barato" acaba depois por aproveitar para vender. As acções do banco afundam 6,37% para 13,67 cêntimos, tendo já negociado nos 13,27 cêntimos, o que corresponde à cotação mais baixa de sempre. O anterior mínimo histórico tinha sido fixado a 12 de Janeiro (poucos dias depois do anúncio do aumento de capital de 1,33 mil milhões de euros) nos 13,61 cêntimos. 

Depois de várias sessões em alta a reflectir o fim da negociação dos direitos de subscrição do aumento de capital, as acções do BCP estão em forte queda pela terceira sessão consecutiva. Neste período caem já mais de 23%, elevando a perda no ano para 27%.

"Reserse stock split" não está nos planos

No seguimento do aumento de capital, as acções voltaram a negociar em valores de cêntimos. Ainda assim, o BCP não pretende avançar com uma nova operação de "reverse stock split", com o objectivo de aumentar o valor nominal das acções.

"Sem o ‘reverse stock split’ não podíamos ter feito este aumento de capital e não temos previsto fazer nenhum aumento de capital nos próximos tempos", esclareceu Miguel de Bragança.

Ver comentários
Saber mais bolsa BCP aumento de capital Miguel Bragança correcção reverse stock split
Mais lidas
Outras Notícias