A semana dia-a-dia: Minutas da Fed e desemprego marcam semana

A Reserva Federal publica, esta semana, as minutas da última reunião, onde voltou a aumentar a taxa de juro. Serão ainda conhecidos vários indicadores relativos ao emprego do outro lado do Atlântico.
EPA
As obrigações soberanas não têm sido o activo mais popular nos últimos anos, devido às rentabilidades negativas. Mas, em momentos de maior turbulência, é neste tipo de activos que a maioria dos investidores procura refúgio. E, desta vez, não será excepção. A maioria dos especialistas prefere, porém, a exposição às "treasuries" norte-americanas. "Com a maioria da economia mundial a abrandar decidimos aumentar a nossa alocação em títulos de dívida, sobretudo obrigações norte-americanas", escreve o Pictet numa nota de estratégia, divulgada na semana passada. A gestora de activos diz que há vários factores que favorecem a exposição às "treasuries", face, por exemplo, às "bunds" alemãs. "Os mercados accionistas tendem a ser mais voláteis durante Julho e Agosto, o que pode levar a uma maior procura por obrigações soberanas dos EUA", explicam os especialistas. Já a Amundi "continua a favorecer títulos com uma duração curta nas obrigações 'core' devido às avaliações caras e ao fim dos estímulos que se está a aproximar". Fora da dívida, os investidores podem ainda procurar refúgio no mercado cambial. Além do iene, uma das principais apostas dos investidores em momentos de maior instabilidade, o dólar é outro dos refúgios. Devido à divergência na política monetária entre os EUA e a Zona Euro, a nota verde deverá valorizar face ao euro.
pub
Raquel Godinho 01 de julho de 2018 às 19:00

Segunda-feira Membros do BCE em Helsínquia


A semana arranca com um encontro do Banco Central Europeu (BCE), em Helsínquia. Na segunda-feira, Peter Praet, membro do banco central, discursa num painel organizado pelo Banco da Finlândia. No mesmo dia, serão ainda conhecidos indicadores económicos relevantes, como é o caso da taxa de desemprego, na Zona Euro, em Maio. A estimativa dos economistas consultados pela Bloomberg é de que esta taxa se mantenha nos 8,5%. 
Terça-feira Indicadores dos EUA e Zona Euro em destaque
No segundo dia útil da semana, as atenções dos investidores voltam-se para os indicadores das principais economias do mundo. Será conhecida a evolução das encomendas à indústria, relativa a Maio. As previsões dos economistas apontam para que estas se tenham mantido inalteradas, depois da queda -0,08% registada no mês anterior. Deste lado do Atlântico, está prevista a publicação das vendas a retalho, referentes a Maio. Terão avançado 0,1%, prevêem os economistas.
Terça-feira FAO divulga "outlook"

A Food and Agriculture Organization (FAO), um organismo da ONU, num relatório elaborado em conjunto com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) divulga, esta terça-feira, o seu "outlook" anual sobre bens agrícolas. 

Quarta-feira Bolsas americanas encerradas

Na quarta-feira, 4 de Julho, assinala-se o Dia da Independência nos Estados Unidos. Por este motivo, os mercados accionistas estarão encerrados. Já na véspera Wall Street só terá meio dia de negociação. O encerramento de Wall Street tem habitualmente impacto na liquidez dos mercados europeus. 

Quarta-feira Tesouro português faz nova emissão de OTRV
Arranca, esta quarta-feira, a sétima emissão de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV). Decorre até 17 de Julho. A taxa de juro foi reduzida para 1%, a mais baixa de sempre, e que compara com os 1,1% pagos na emissão anterior de Novembro de 2017. Com esta emissão, o Tesouro pretende encaixar 500 milhões de euros.   

Quinta-feira Fed publica minutas da última reunião
A Reserva Federal dos Estados Unidos divulga, esta quinta-feira, as minutas da última reunião de política monetária, que ocorreu a 12 e 13 de Junho. Neste encontro, o banco central liderado por Jerome Powell anunciou a segunda subida de juros deste ano. A taxa de juro aumentou em 25 pontos base para o intervalo entre 1,75% e 2%. O comunicado divulgado na altura revelava que houve unanimidade entre os oito membros da Fed: todos aprovaram a subida da taxa de juro, justificada pelos desenvolvimentos no mercado de trabalho e na inflação. Além disso, a autoridade monetária sinalizou mais duas subidas do preço do dinheiro, até ao final do ano. 
 
Quinta-feira Criação de emprego aumenta nos EUA 
A ADP publica, esta quinta-feira, o relatório sobre a criação de postos de trabalho, em Junho. As previsões dos economistas apontam para que tenham sido criados 190 mil postos, superando os 190 mil postos criados um mês antes. Na sexta-feira, será conhecida a taxa de desemprego, do outro lado do Atlântico, relativa a Junho. Prevê-se a manutenção nos 3,8%.  

Sexta-feira Entram em vigor tarifas dos EUA
Esta sexta-feira, entram em vigor as tarifas impostas pelos Estados Unidos sobre bens chineses no valor de 34 mil milhões de dólares. A guerra comercial tem aumentado os receios dos investidores, nas últimas semanas. 
pub

pub