António Moita
António Moita 12 de maio de 2019 às 19:15

Querida, vamos mudar de banco

Faz muita falta ao mercado uma instituição financeira que volte a considerar os clientes como o seu principal ativo e que os trate com respeito. Quando isso acontecer prometo que, lá em casa, todos iremos mudar de banco.

A rede de caixas automáticas em Portugal é muito grande, sendo enorme o seu grau de utilização por parte dos clientes. Deve dizer-se que é um serviço de enorme qualidade que resultou de um trabalho de décadas realizado pela SIBS, que, para além do mérito, soube aproveitar a oportunidade histórica de ter iniciado o projeto num momento em que a banca se encontrava nacionalizada e em que as decisões de investimento eram tomadas por uma só entidade. A verdade é que a expansão da rede poupou muito dinheiro aos bancos. Em pessoal, em instalações, em rapidez e simplificação das operações.

 

Mas é também verdade que tal como a árvore não faz a floresta, a "rede multibanco" não se confunde com o sistema bancário. Dito de outra maneira, só faz sentido avaliar este serviço em concreto no contexto da relação entre os bancos e cada um dos seus clientes.

 

A atividade bancária é aquela que consiste em facilitar o movimento do dinheiro entre quem o tem e quem dele precisa. Basicamente assim é. Mas esta equação nasce da confiança que os depositantes têm na instituição que irá gerir adequadamente os recursos que são colocados à sua disposição, nomeadamente quando os aplica junto daqueles que deles necessitam. Esta atividade tem contribuído de forma inegável para o desenvolvimento acelerado do progresso económico mundial.

 

A relação entre banco e cliente é das mais simples que pode existir. Cada um de nós deposita na instituição em que confia as suas disponibilidades, esperando que esta o remunere sob a forma de juros e/ou de serviços. Esta, por sua vez, aplica os recursos que os clientes lhes confiam procurando retirar daí os proveitos necessários a poder devolver aos depositantes o que lhes pertença, cobrir os custos da operação e remunerar os respetivos acionistas. Sempre foi assim que as coisas funcionaram e, com algumas conhecidas exceções, o sistema mostrou ser eficiente e robusto.

 

Nos últimos anos muita coisa mudou. Parece que o dinheiro depositado já não é mais dos clientes, que os recursos já não são aplicados de forma prudente e racional, que os acionistas já não assumem os riscos de uma atividade económica e que, por causa do famoso "risco sistémico", conseguiram atingir o melhor de dois mundos. Ficam com os proveitos gerados (muitas vezes com habilidades contabilísticas) e partilham com os contribuintes os prejuízos registados.

 

A confiança, principal ativo desta atividade, foi-se perdendo e hoje já ninguém aceita que os regimes de exceção e de favor continuem. Ser cliente de uma instituição financeira, depositar dinheiro, utilizar serviços bancários não é propriamente um favor que o banco nos faz. Mas parece. A opacidade dos contratos, a discricionariedade das decisões, a falta de transparência das comissões aplicadas é hoje a regra de instituições que foram respeitadas enquanto se mantiveram centradas nos seus clientes e que deixaram de o ser quando passaram a olhar apenas para si próprias. Faz muita falta ao mercado uma instituição financeira que volte a considerar os clientes como o seu principal ativo e que os trate com respeito. Quando isso acontecer prometo que, lá em casa, todos iremos mudar de banco.

 

Jurista

pub

Marketing Automation certified by E-GOI