Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Bruno Faria Lopes brunolopes@sabado.cofina.pt 01 de Março de 2018 às 19:43

Breve cronologia do desespero no SNS 

As notícias dos últimos anos contradizem o ministro Adalberto Campos Fernandes, que esta semana classificou de "pontuais" as demissões de directores de serviço em Faro. Não são pontuais. São um reflexo, mais um, dos problemas de subfinanciamento e de organização que têm vindo a acumular-se há anos – e a minar o Serviço Nacional de Saúde.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 11
  • ...

Notícia de 28 de Fevereiro de 2018: "Os directores dos três serviços de Medicina Interna do Hospital de Faro estão demissionários devido à falta de resposta para a sobrelotação de doentes e à alegada pressão para altas precoces."

 

9 de Janeiro de 2018: "Depois de Faro e Guimarães, enfermeiros de Leiria denunciam falta de condições na urgência. Administração reconhece que edifícios e pessoal 'não esticam', mas que situação é de emergência."

 

8 de Junho de 2017: "A direcção clínica e os directores de serviço do Hospital Fernando Fonseca (Amadora-Sintra) decidiram demitir-se em protesto contra as dificuldades na contratação de profissionais."

 

22 de Novembro de 2017: "Director de Neurocirurgia do Centro Hospitalar de São João, Rui Vaz, demite-se por ter serviço há 10 anos em pré-fabricado. Diz ter chegado ao limite da segurança e da dignidade."

 

8 de Junho de 2017: "Falta de 98 médicos leva a demissão de directores de serviço.

 

A direcção clínica e os directores de serviço do Hospital Amadora-Sintra demitiram-se em protesto contra as dificuldades de contratação."

 

23 de Janeiro de 2017: "Ministro da Saúde tenta travar demissões 'irrevogáveis' no Centro Hospitalar do Algarve (…). Os médicos dizem-se 'derrotados' pelo cansaço de tanto esperar por reforços humanos e financeiros. O investimento de 19 milhões para quatro anos, enfatizam, 'pouco mais dá do que para não fechar a porta'."

 

16 de Maio de 2016: "Demissões em massa no Hospital de Santarém. A RTP avança que os médicos e enfermeiros denunciam que as salas do bloco da unidade de Santarém, que serve mais de 250 mil habitantes, não oferecem condições mínimas de segurança."

 

6 de Maio de 2016: "No espaço de poucos dias dois directores de serviço, de Ortopedia e Neurocirurgia, 'bateram com a porta'. O Centro [Hospitalar do Algarve] está a enviar muitos doentes para o privado de modo a serem operados."

8 de Março de 2016: "Director do serviço de Oncologia do Barreiro demite-se por falta de condições."

 

17 de Fevereiro de 2015: "Demissão em bloco no Hospital Amadora-Sintra. O hospital Amadora-Sintra vai ter um novo director clínico após a demissão de 28 dos 33 directores de serviço. Os directores de serviço demissionários [alegam] 'degradação das condições de trabalho' e 'do serviço prestado aos utentes'."

 

27 de Janeiro de 2015: "Garcia de Orta: médicos mantêm decisão de se demitirem."

 

19 de Junho de 2014: "58 directores demitem-se em bloco no Hospital de São João. 'O hospital vive numa situação limite e a direcção não quer ser responsabilizada por não prestar serviços de saúde de qualidade aos seus doentes', salienta fonte da unidade hospitalar."

 

Por falta de espaço não incluí tudo o que encontrei sobre demissões e denúncias de médicos e de enfermeiros nos últimos quatro anos (as que foram noticiadas). Algumas demissões acabaram por não se concretizar porque o seu anúncio levou à libertação de dinheiro para tapar buracos. Mas, lidos em conjunto, estes títulos e excertos de notícias contradizem o ministro Adalberto Campos Fernandes, que esta semana classificou de "pontuais" as demissões em Faro. Não são pontuais. São um reflexo, mais um, dos problemas de subfinanciamento e organização que têm vindo a acumular-se há anos e a minar o Serviço Nacional de Saúde. Esta área é a que melhor ilustra a relevância do tantas vezes ignorado conceito de custo de oportunidade (canalizar dinheiro para o IVA da restauração é desviá-lo da Saúde, por exemplo) - e a que melhor demonstra, num país em trajectória de envelhecimento, que os problemas nas finanças públicas estão longe de ter sido ultrapassados.

 

Jornalista da revista Sábado

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Mais lidas
Outras Notícias