Augusto Moita de Deus
Augusto Moita de Deus 07 de março de 2018 às 20:18

Edison ou Tesla?

Elon Musk é com mérito o actual supremo guru da tecnologia. Tal como Edison no passado, ele é o responsável por vários projectos associados às tecnologias disruptivas: veja-se a SpaceX, o sistema Hyperloop ou a Tesla Motors.

Musk de forma inteligente tem colocado os seus ovos de Colombo em diferentes cestas, mas é legítimo perguntar: no final o que será Musk? Um Edison ou um Tesla?

 

Falemos então de electricidade. Normalmente não pensamos muito nessa maravilha técnica que é o controlo do campo electromagnético, seja para a transmissão de informação, que é o que ocorre nos nossos telemóveis e computadores, seja para transportar energia. Neste último caso, é relevante falar de dois pioneiros: Edison e Tesla. No final do século XIX, deu-se a chamada Guerra das Correntes: de um lado, Edison (e a sua companhia homónima) defendia ferozmente a corrente contínua e, do outro lado, a Westinghouse Company, onde Tesla deixou uma contribuição fundamental, lutava pela corrente alterna. Quem ganhou? A corrente alterna. E quem ficou rico e famoso? Edison. A sua empresa aliás deu origem à gigante General Electric. O que dizer de Tesla? Morreu praticamente na penúria. Historicamente, ter razão em termos de tecnologia não é garantia de sucesso.

 

Voltemos agora a Elon Musk e ao seu… Tesla. Musk não desiste do seu sonho eléctrico. Mas é um sonho que por enquanto é um pesadelo: vejam-se os prejuízos astronómicos (2,2 biliões de dólares) recentemente divulgados. Nada que uma campanha publicitária de dimensões astronáuticas não acabe por diluir: o envio dum Tesla para o espaço é de facto um anúncio ainda mais espectacular - e caro, mas os investidores da SpaceX não se importam - do que os famosos anúncios do Super Bowl.

 

De volta à Terra, parece certo que Musk tem razão: o futuro é eléctrico. Até a gigante PSA liderada pelo português Carlos Tavares já está a avançar nessa direcção, quiçá após uma hesitação inicial. E a investigação em baterias, em que a portuguesa Maria Helena Braga é figura de proa, mais ano menos ano deverá dar origem o prémio Nobel.

 

Quem ganhará então a nova Guerra da Electricidade? A Tesla Motors? Ou as gigantes Volkswagen, General Motors ou Nissan, que têm um parque industrial muito superior? Ao previsivelmente vingar com uma ideia que de início não era a deles, podem esses gigantes vir a ser os Thomas Edisons da mobilidade eléctrica? E - por muito que simpatizemos com ele - se o seu sonho ruir, pode Elon Musk transformar-se no Nikola Tesla dos carros eléctricos? O futuro o dirá.

 

Professor do Instituto Superior Técnico

A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Gonçalo 08.03.2018

1º pormenor, na altura em que Edison defendia a corrente continua, ainda não havia tecnologia para que a alternada fosse utilizada de forma segura.
2º pormenor, não foi Musk o inventor nem a primeira marca com carro electrico, por muito que o seu marketing o coloque como pioneiro.

Pedro Oliveira 08.03.2018

O Tesla foi um génio. O Edison foi o homem dos mercados. O Musk é um visionário dos mercados. Não há semelhanças entre os três.

Ciifrão 08.03.2018

O Musk é um financeiro, quando muito um empreendedor, sem comparação alguma com Edison.

Bom artigo 08.03.2018

Muitos parabéns pelo artigo, apesar de não acrescentar nada de novo, revela um conhecimento histórico e pluridisciplinar que infelizmente não é costume vermos nos meios jornalísticos portugueses.