Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Maria de Lurdes Rosa: A ideia de progresso em História deve ser muito relativizada

Maria de Lurdes Rosa era ainda estudante quando, no final dos anos 1980, entrou pela primeira vez na Torre do Tombo para investigar sobre os morgados e a forma como estes corpos sociais permitiam à nobreza proteger a propriedade e perpetuar a linhagem. Um dos primeiros documentos que analisou chegou-lhe, dentro de um saco de plástico, pela mão de um genealogista que ali conheceu. Nunca mais largou o tema. Os arquivos familiares tornaram-se um precioso objecto para a investigadora da Universidade Nova de Lisboa. Em Novembro, o Conselho Europeu de Investigação atribuiu-lhe 1,6 milhões de euros, a maior bolsa recebida em Portugal na área da História.

Miguel Baltazar
Helena Viegas | Miguel Baltazar - Fotografia 28 de Dezembro de 2018 às 11:00
  • Partilhar artigo
  • 1
  • ...

É preciso subir ao sexto piso da Torre B da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade (FCSH) de Lisboa para encontrar o exíguo gabinete de Maria de Lurdes Rosa, no departamento de História. "A professora não está", mas leva pouco a surgir, olhar límpido, sorridente, passos apressados. Tem a agenda carregada de reuniões, entrevistas, papeladas para preencher. O contrato que formaliza a atribuição da verba de 1,6

...

Ver comentários
Saber mais Maria de Lurdes Rosa Torre do Tombo História morgados investigação nobreza linhagem humanidades bolsas Downton Abbey herdeiros capela Mouzinho da Silveira Alexandre Herculano iluminismo igreja rei Álvaro Da Costa mouros cristãos
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio