Outros sites Cofina
Notícias em Destaque

O que pode ensinar a criatividade

A maioria dos alunos portugueses começou esta semana as atividades nas escolas. Será, espera-se, o primeiro ano letivo “normal” pós-pandemia. A crise da covid-19 deixou marcas em toda a comunidade escolar e obrigou a fazer mudanças no ensino. Mais do que nunca, a criatividade é necessária nas salas de aula. O estímulo ao pensamento crítico e “fora da caixa” é hoje um imperativo para preparar os alunos para viverem num mundo em rápida transformação.
Filipa Lino 24 de Setembro de 2022 às 11:00

As escolas matam a criatividade? A pergunta, provocadora, foi o ponto de partida da palestra TED Talk do pedagogo britânico sir Ken Robinson, em 2006, nos EUA. O seu discurso, cheio de sentido de humor tocou, no entanto, um tema muito sério, que se tornou a sua grande causa de vida – é preciso revolucionar o sistema de educação para que este cultive a criatividade e reconheça múltiplos tipos de inteligência.

 

"A minha convicção é que a criatividade é tão importante no ensino quanto a literacia e devemos tratá-las ao mesmo nível", defendeu. Robinson fazia um alerta: "Estamos a educar pessoas sem atender às suas capacidades criativas."

 

A crítica estendia-se a todo o mundo porque "todos os sistemas de ensino têm a mesma hierarquia nas matérias escolares. No topo estão a matemática e as línguas, depois as humanidades e, em último lugar, as artes." Este modelo de organização escolar, explicava, está a ter consequências desastrosas, a ponto de "muitas pessoas altamente talentosas, brilhantes e criativas, pensarem que não o são, porque aquilo em que eram boas na escola não era valorizado ou era mesmo estigmatizado".

 

O discurso de Robinson tornou-se viral e é, ainda hoje, passados 16 anos, o TED Talk mais visto de sempre, contando com quase 74 milhões de visualizações no Youtube. Se dúvidas houvesse, esta é a prova de que a educação prende a atenção de muita gente.

 

Há dias, na Cimeira sobre a Transformação da Educação – um dos principais eventos da 77.ª sessão da Assembleia Geral da ONU –, o secretário-geral da organização, António Guterres, salientou que a aposta na educação é o "investimento mais importante que qualquer país pode fazer". E instou os países a aumentarem o investimento nas escolas porque a educação é "transformadora de vidas, economias e sociedades".

 

Guterres, ele próprio um antigo professor, referiu que a pandemia veio travar os avanços num dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) estabelecidos pela ONU – a educação de qualidade. A organização definiu a meta de até 2030 os países garantirem que "todas as meninas e meninos completam o ensino primário e secundário, que deve ser de acesso livre, equitativo e de qualidade, e que conduza a resultados de aprendizagem relevantes e eficazes".

 

A educação sofreu fortes danos com a pandemia e "não vamos acabar com esta crise simplesmente fazendo mais do mesmo, mais rápido ou melhor", advertiu. "Agora é a hora de transformar os sistemas educacionais."

 

O primeiro-ministro, António Costa, também discursou na cimeira em Nova Iorque e garantiu que Portugal já está a fazer a sua parte, ao ter reforçado o currículo escolar em três pilares – competências para o século XXI, inclusão e cidadania.

 

Dar largas à imaginação

 

Neste contexto de transformação da educação, em que as chamadas "soft skills" (competências sociais e emocionais) ganham relevância, que papel tem a criatividade que Robinson, entretanto já falecido, tanto defendia? E de que forma pode ser trabalhada na sala de aula?

 

"É importante que as crianças sintam abertura para dar largas à sua imaginação na escola, mas também é fundamental que adquiram informação e conhecimento de forma que essa imaginação tenha algum ‘alimento’" e sirva de base para a criatividade, defende Isabel Alçada, antiga ministra da Educação.

 

A metodologia de trabalho na sala de aula é semelhante à de um maestro com os músicos. O professor precisa de "dar margem aos alunos para que se exprimam e explorem as suas potencialidades e, simultaneamente, se desenvolvam do ponto de vista cognitivo e afetivo, de forma a serem capazes de produzir alguma coisa nova".

Ver comentários
Saber mais criatividade educação escolas alunos professores ano letivo sala de aula pedagogia Ministério da Educação ONU disciplinas currículos escolares perfil do aluno Isabel Alçada Pedro Cunha Ilídia Cabral soft skills
Outras Notícias
Mais notícias Negócios Premium
+ Negócios Premium
Capa do Jornal