Pelos labirintos de Fernando Pessoa

Ana Deus e Luca Argel juntaram as vozes e construíram 15 canções que agora são publicadas em CD, quase todas escritas sobre poemas de Fernando Pessoa.
Bruno Simão
pub
Fernando Sobral, Bruno Simão - Fotografia 07 de julho de 2018 às 17:00

As ruas transportam ruídos, uns mais pessoais do que outros. Sinais que ecoaram na poesia de Fernando Pessoa e que acabaram por influenciar o espectáculo "Ruído Vário, Canções com Pessoa", que Ana Deus e Luca Argel arquitectaram no ano passado. Da conjugação de emoções e energias resultaram 15 canções que agora são publicadas em CD, quase todas escritas sobre poemas de Fernando Pessoa. Dia 20 de Julho, no Damas, em Lisboa, vai ser possível escutar este trabalho que une as vozes dos dois nomes da música, além da guitarra de Luca Argel e de ruídos vários que encorpam os poemas. A ideia é sempre utilizar as várias facetas da poesia de Pessoa para ilustrar diferentes estados de alma.
Muitos destes sentimentos podem ser escutados em temas como "Ah Quanta Melancolia!" ou "Na Ribeira Deste Rio", impressões digitais desta releitura da poesia de Pessoa. Na apresentação deste "songbook", Ana Deus e Luca Argel escrevem mesmo: "Sendo o Fernando Pessoa o ortónimo mais rico em rimas e métricas, de certa forma mais 'pronto' para a música, foi natural que a escolha dos poemas tivesse caído quase sempre sobre ele. 'Ruído Vário', aliás, foi um nome que lhe roubámos, de um poema que começa: O ruído vário da rua/Passa alto por mim que sigo. Talvez hoje, com um século acumulado nas costas de Pessoa, o ruído vário já não seja mais o da rua que atravessa e contamina a poesia, enquanto ela segue. Pelo contrário, talvez o estrondo da rua é que seja afinal a verdadeira música do mundo, e a poesia se tenha transformado no ruído que a desafina."
Ana Deus é um nome incontornável da música portuguesa. Dos Ban aos Três Tristes Tigres ou aos Osso Vaidoso, tem partilhado a sua voz sobre diferentes texturas musicais. Luca Argel é um músico brasileiro que tem uma paixão profunda pela poesia. Os labirintos de Fernando Pessoa desafiaram-nos. E o resultado está aqui: neste estimulante "Ruído Vário". 

pub