Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Proprietários aplaudem chumbo da Taxa de Protecção Civil de Lisboa

Cobrada "a milhares de proprietários lisboetas" desde 2015, a Taxa Municipal de Protecção Civil foi impugnada judicialmente pela ALP, lembrou a associação, acrescentando que foi "a primeira entidade a denunciar publicamente a inconstitucionalidade desta pseudo-taxa".

Bruno Simão/Negócios
Lusa 19 de Dezembro de 2017 às 15:11
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

 

A Associação Lisbonense de Proprietários (ALP) aplaudiu hoje a decisão do Tribunal Constitucional de chumbar a Taxa Municipal de Protecção Civil de Lisboa, exigindo "responsabilidades políticas ao executivo que teimosamente cobrou durante três anos um imposto encapotado".

 

Cobrada "a milhares de proprietários lisboetas" desde 2015, a Taxa Municipal de Protecção Civil foi impugnada judicialmente pela ALP, lembrou a associação, acrescentando que foi "a primeira entidade a denunciar publicamente a inconstitucionalidade desta pseudo-taxa".

 

Já em Setembro, a associação de proprietários congratulou-se com um acórdão do Tribunal Constitucional de 13 de Julho deste ano que declarou inconstitucional a Taxa Municipal de Protecção Civil de Vila Nova de Gaia, por considerar que se trata de um imposto, "uma competência exclusiva do parlamento".

 

Neste âmbito, a Câmara de Vila Nova de Gaia (PS) decidiu extinguir esta taxa, bem como "a cobrança de processos em curso", disse o autarca local Eduardo Vítor Rodrigues. Em causa estava uma taxa que, em Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, foi criada em 2011 e era aplicada às empresas, estimando a autarquia que por ano o encaixe financeiro rondasse os 800 mil euros.

 

Após a decisão judicial sobre a Taxa Municipal de Protecção Civil de Vila Nova de Gaia, a associação de proprietários exigiu a suspensão imediata desta taxa no município de Lisboa e "a devolução integral dos valores ilegalmente cobrados aos proprietários da capital", referindo que cada imóvel da capital foi, em média, "onerado anualmente em 90 euros por este imposto encapotado".

 

Em comunicado, a associação de proprietários recordou que a Taxa de Protecção Civil de Lisboa valeu para os cofres da autarquia socialista 18,9 milhões de euros, em 2015. "Já em 2016, a Taxa de Protecção Civil rendeu 21,6 milhões de euros, à custa dos proprietários lisboetas, que financiaram as obras faraónicas da cidade de Lisboa".

 

Segundo a ALP, a Taxa de Protecção Civil de Lisboa representa "um valor adicional ao Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) de, pelo menos, 12,5% deste imposto (podendo ascender aos 200% do IMI no caso de imóveis devolutos), o que asfixiou milhares de proprietários lisboetas já muito sobrecarregados por uma insustentável carga fiscal".

 

A Taxa Municipal de Protecção Civil começou a ser cobrada aos proprietários em 2015 e veio substituir a taxa de conservação e manutenção dos esgotos, que passou a ser associada à do saneamento.

 

Em Março passado, a Provedoria de Justiça anunciou o pedido de fiscalização sucessiva da taxa ao Tribunal Constitucional (TC), por considerar que "configura um verdadeiro imposto, na medida em que não será possível identificar [...] qualquer benefício concreto ou específico que permita a sua qualificação como uma genuína taxa".

 

"Tratando-se de um verdadeiro imposto, a sua criação deveria constar da lei do parlamento ou de decreto-lei devidamente autorizado pela Assembleia da República, o que não sucedeu", explicou o então provedor de Justiça, José de Faria Costa.

 

No dia 14 de Dezembro, a Câmara Municipal de Lisboa chumbou três propostas apresentadas por PSD, CDS-PP e PCP no sentido de revogar a Taxa Municipal de Protecção Civil, que a oposição e as associações de proprietários consideram inconstitucional.

 

Ver comentários
Saber mais Associação Lisbonense de Proprietários Taxa Municipal de Protecção Civil de Vila Nova Tribunal Constitucional Assembleia da República Câmara de Vila Nova de Gaia Imposto Municipal
Outras Notícias