Emprego na agricultura em Portugal pesa o dobro da média da UE

Um em cada 10 trabalhadores (10%) em Portugal está no sector da agricultura. Já a média da União Europeia é inferior a 5%.
Miguel Baltazar
pub
Tiago Varzim 10 de agosto de 2018 às 16:14

A tendência é de descida, mas a agricultura continua a ter um peso significativo no mercado de trabalho em Portugal, em comparação com o que acontece nos restantes Estados-membros. O mesmo acontece na indústria. Já nos serviços o peso é inferior, mas não muito. 
No mercado de trabalho português, 9,4% dos postos de trabalho estão no sector da agricultura. Este peso é mais do dobro daquele que se verifica na União Europeia: em média, nos Estados-membros apenas 4,5% dos empregos são na agricultura, de acordo com os dados do Eurostat publicados esta sexta-feira, dia 10 de Agosto. 
Ainda assim, há países europeus onde o peso da agricultura é maior. É o caso da Roménia com 24%, da Bulgária com 19%, da Grécia com 11% e da Polónia com 10%.  


Tal como mostra o gráfico, este peso da agricultura tem vindo a cair gradualmente desde o início do século. Uma evolução que contrasta com o que tem acontecido nos serviços, sector que tem ganho mais peso no mercado de trabalho a nível internacional. 
"A mudança em direcção a uma economia de serviços é uma tendência de longo-prazo que já era observador na UE na segunda parte do século XX", assinala o gabinete europeu de estatísticas. Isso traduz-se no aumento do peso dos serviços no emprego total que passou de 66% em 2000 para 73,9%. Ou seja, três em cada quatro empregos são nos serviços na UE. 
Em Portugal o valor passou de 54,2% para 67,6%. O que na realidade é um aumento superior ao da UE: 13,4 pontos percentuais face a 7,9 pontos percentuais. Contudo, Portugal continua abaixo da média. Em países como a Holanda, O Reino Unido, Dinamarca ou França, os serviços pesam mais de 80% no mercado de trabalho.
Já no caso da indústria, o caso é diferente. Depois de uma descida mais acentuada no início do século, os valores começaram a estabilização na última década. E a diferença entre Portugal e a média da União Europeia é residual: 23% para 21,6%, respectivamente. A indústria tem o maior peso na República Checa (36%), seguido da Eslováquia e Polónia com 31%.

pub