Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Pandemia dita quebra recorde de 16,3% do PIB português

O PIB de Portugal contraiu 16,3% no segundo trimestre deste ano, face ao mesmo período do ano passado, ligeiramente menos do que o avançado pelo INE no final de julho.

Rita Faria afaria@negocios.pt 14 de Agosto de 2020 às 09:32
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

A economia portuguesa contraiu 16,3% no segundo trimestre deste ano, face ao mesmo período do ano passado, ligeiramente menos do que o avançado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) no final do mês de julho.

Na segunda estimativa divulgada esta sexta-feira, 14 de agosto, o resultado é revisto em alta em 0,2 pontos percentuais – de 16,5% para 16,3% - mantendo-se, ainda assim, como uma contração sem precedentes na economia portuguesa, olhando à atual série do INE, que teve início em 1999.

Em relação aos três meses anteriores, o trimestre do confinamento e do Estado de Emergência saldou-se numa quebra do PIB de 13,9%, o que traduz, igualmente, uma melhoria de 0,2 pontos percentuais face à anterior projeção.

O INE explica que o resultado é explicado, em larga medida, pelo contributo negativo da procura interna "refletindo a expressiva contração do Consumo Privado e do Investimento".

"O contributo da procura interna para a variação homóloga do PIB passou de -1,2 pontos percentuais no 1º trimestre, para -11,9 pontos percentuais. O consumo privado e o Investimento apresentaram uma forte contração no 2º trimestre, tendo o consumo público também diminuído em volume", detalha o INE.

Na mesma medida, o contributo da procura externa líquida foi mais negativo do que no primeiro trimestre, "traduzindo a diminuição mais significativa das Exportações de Bens e Serviços que a observada nas Importações de Bens e Serviços, devido em grande medida à quase interrupção do turismo de não residentes".

A ligeira melhoria da estimativa face à projeção avançada no final de julho é justificada pelo INE com a integração de informação primária adicional, "nomeadamente relativa ao comércio internacional de bens e serviços em junho".

Só três países da UE contraíram mais do que Portugal

No mesmo dia em que o INE revelou os dados sobre o PIB do segundo trimestre, também o Eurostat revelou a sua segunda estimativa para a evolução das economias europeias no período entre abril e junho.

Os dados mostram que só três países registaram quebras superiores a Portugal, numa lista liderada maioritariamente pelos países do sul da Europa.

Com a maior quebra do PIB surge Espanha, com uma contração de 22,1%, seguida por França (-19%) e Itália (-17,3%).

No conjunto dos países da Zona Euro, o PIB recuou 15%, a maior quebra desde que os registos começaram a ser efetuados, em 1995. 

Ver comentários
Saber mais PIB INE Portugal contração
Mais lidas
Outras Notícias