Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

G7: Variante Ómicron altamente transmissível exige ação urgente

"A comunidade internacional enfrenta a ameaça de uma nova variante altamente contagiosa da covid-19, que requer uma ação urgente", consideraram os ministros a Saúde dos países do G7, num comunicado conjunto divulgado após uma reunião de emergência.

Lusa 29 de Novembro de 2021 às 18:15
  • Partilhar artigo
  • 3
  • ...
A variante Ómicron do coronavírus causador da covid-19, "altamente transmissível", exige uma "ação urgente", advertiram hoje os ministros da Saúde dos países do G7, no final de uma reunião de emergência convocada por Londres.

"A comunidade internacional enfrenta a ameaça de uma nova variante altamente contagiosa da covid-19, que requer uma ação urgente", consideraram os ministros, num comunicado conjunto divulgado após a reunião.

"Os ministros saudaram o trabalho exemplar da África do Sul, que conseguiu detetar a variante e alertar os outros" países, acrescentaram os governantes do G7 (grupo dos países mais industrializados do mundo: Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido) sobre aquele país da África Austral, que identificou a nova variante e, em seguida, lamentou as restrições de que foi alvo por parte dos outros países.

Os países do G7 "também reconheceram a pertinência estratégica de assegurar o acesso às vacinas", "preparando" os países para receberem carregamentos de doses, fornecendo-lhes "assistência operacional, dando seguimento aos seus compromissos em matéria de doações e combatendo a desinformação sobre as vacinas, bem como apoiando a investigação e o desenvolvimento".

Os Estados do G7 comprometeram-se ainda "a continuar a trabalhar em estreita colaboração com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e os parceiros internacionais para partilhar a informação e vigiar a Ómicron". "Os ministros comprometeram-se a reunir-se novamente em dezembro", concluíram.

A nova variante Ómicron do coronavírus SARS-CoV-2 apresenta "um risco muito elevado" ao nível mundial, avisou hoje a OMS.

A lista dos países onde a Ómicron foi detetada não para de crescer, nomeadamente na Europa, depois dos primeiros casos identificados na África Austral durante este mês, o que obrigou muitos Estados a suspender as viagens para essa região do globo e a impor restrições preventivas para viajantes dela procedentes.

A covid-19 causou pelo menos 5.197.718 mortos mortes em todo o mundo, de entre mais de 260,81 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência noticiosa France-Presse (AFP), com base em dados oficiais.

Em Portugal, morreram, desde março de 2020, 18.430 pessoas e foram contabilizados 1.144.342 casos de infeção, de acordo com dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença é causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.
Ver comentários
Saber mais G7 Ómicron Saúde África Austral OMS SARS-CoV-2 política
Outras Notícias