Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Pandemia da covid-19 só explica metade da subida nas mortes em Portugal

Entre 1 de março e 5 de julho morreram 40.431 pessoas em Portugal, um número superior em 3.103 óbitos ao registado em igual período do ano passado.

Sara Matos
Pedro Curvelo pedrocurvelo@negocios.pt 18 de Julho de 2020 às 10:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • 3
  • ...

As mortes provocadas pela pandemia da covid-19 representam pouco mais de metade (52,2%) do aumento no número de óbitos registados em Portugal entre 1 de março e 5 de julho, segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta sexta-feira.

Neste período, marcado pela eclosão da pandemia em território nacional – com o primeiro caso confirmado a 2 de março -, faleceram 40.431 pessoas no país. Este número traduz uma subida de 3.103 óbitos, ou 8,3%, face a igual período no ano passado.

Contudo, a pandemia apenas explica cerca de metades da mortalidade excessiva. Até 5 de julho, a doença causada pelo novo coronavírus tinha vitimado 1.620 pessoas em Portugal, ou seja, 52,2% do incremento na mortalidade.

Óbitos em Portugal entre 1 de março e 5 de julho



No entanto, o aumento no número de óbitos foi bastante mais acentuado entre a população mais idosa. As mortes entre pessoas com mais de 85 anos aumentaram 11,4% face ao período homólogo, o que corresponde a mais 1.776 óbitos. Já no escalão etário entre os 80 e os 84 anos o aumento cifrou-se em 8%, o que significa mais 518 óbitos.

E, segundo os dados da Direção-Geral de Saúde (DGS), a covid-19 vitimou 1.085 pessoas com mais de 80 anos. Isto significa que o novo coronavírus foi responsável por 47,3% das mortes adicionais entre os residentes deste escalão etário.

Mas é entre a população até aos 64 anos que a covid-19 teve maior impacto no aumento da mortalidade. A doença provocou, até 5 de julho, 225 mortes neste escalão etário. Tendo em conta que o aumento nos óbitos entre residentes até aos 64 anos aumentou em 185 em termos homólogos, sem as fatalidades devido à covid-19 as mortes nesta fatia da população teriam diminuído em 40 face ao período homólogo.

De notar ainda que as mortes por covid-19 representam 4% dos óbitos registados entre 1 de março e 5 de julho. E mesmo entre a população com mais de 80 anos a pandemia é responsável apenas por 4,4% dos 24.353 óbitos neste período. 

Mortes em Portugal devido à covid-19


Mortes aumentam em 142 concelhos

O INE destaca também que nas quatro semanas compreendidas entre 8 de junho e 5 de julho o número de óbitos em 142 dos 308 municípios do país superou o valor médio de 2018 e 2019 para o período homólogo, que designa por valor homólogo de referência.

E, sublinha o relatório, em 28 concelhos as mortes registadas são pelo menos 50% superiores ao valor homólogo de referência.

Já nos 166 municípios restantes os falecimento foram iguais ou inferiores ao observado no período de referência.

O concelho de Monforte, no distrito de Portalegre, que contava apenas com 2.975 habitantes em 2019 (segundo estimativa do INE), foi o município com a maior subida percentual no número de mortes nestas quatro semanas. Embora o INE não divulgue o valor exato, os óbitos neste município terão aumentado quase 10 vezes. Note-se que Monforte é um dos concelhos com dois ou menos casos confirmados de covid-19, segundo a DGS.

Ver comentários
Saber mais Portugal DGS Instituto Nacional de Estatística INE Monforte morte covid-19 óbitos pandemia
Outras Notícias