Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bruxelas propõe corte de 65% de fundos à Hungria por violação do Estado de direito

A Comissão Europeia reuniu-se de forma extraordinária este domingo para discutir sanções à Hungria, que Bruxelas acusa de violar sistematicamente o Estado de direito.

O comissário europeu do Orçamento e da Administração, Johannes Hahn, apresentou as linhas gerais para reembolsar a dívida comum do Mecanismo de Recuperação e Resiliência.
O comissário para o Orçamento e Administração, Johannes Hahn, anunciou as sanções em conferência de imprensa Virginia Mayo/Epa
Lusa 18 de Setembro de 2022 às 10:21
  • Partilhar artigo
  • 10
  • ...
A Comissão Europeia propôs este domingo uma suspensão de 65%, no valor de 7,5 mil milhões de euros, dos fundos comunitários à Hungria pelas violações do Estado de direito.

"A Comissão propôs ao Conselho [da UE] a suspensão de 65% dos compromissos para três programas operacionais no âmbito da política de coesão, num valor estimado em 7,5 mil milhões de euros, o que é cerca de um terço do envelope da política de coesão para a Hungria", anunciou o comissário para o Orçamento e Administração, Johannes Hahn, em conferência de imprensa.

Budapeste está também impedida de assumir compromissos jurídicos com os fundos de interesse público para programas implementados em gestão direta e indireta.

Esta é a primeira vez que o regulamento relativo à condicionalidade é aplicado, estando a proposta deste domingo ligada a irregularidades na contratação pública, falhas no prosseguimento das investigações e ações judiciais em casos relacionados com fundos europeus e ainda deficiência na luta contra a corrupção.

Com a proposta, os Estados-membros têm agora um mês para decidir se adotam as medidas propostas pelo executivo comunitário, devendo este período ser estendido por mais dois meses, uma vez que o comissário referiu ser necessário tempo para a adoção das 17 medidas-chave avançadas por Bruxelas.

A Comissão, durante esse tempo, irá acompanhar a situação na Hungria, que se comprometeu a prestar informação a Bruxelas sobre a completa aplicação das medidas previstas até 19 de novembro.

Reconhecendo que Budapeste já fez progressos, desde que, em julho, Bruxelas enviou um carta com uma série de medidas a adotar, Hahn salientou que "muitos dos problemas identificados pela Comissão requerem, para além das alterações ao quadro jurídico, mudanças concretas".

Adotado em 2021, o regulamento relativo à condicionalidade prevê que, no caso de as violações do Estado de direito num determinado Estado-membro e em situações que afetam os interesses financeiros da UE, a Comissão possa propor ao Conselho da UE a adoção de medidas "adequadas e proporcionadas", como a suspensão de verbas, cabendo aos Estados-membros tomar uma decisão final, por uma maioria qualificada de 55% por cento dos Estados-membros que representem pelo menos 65% da população da UE.

Bruxelas mantém um longo diferendo com o Governo de Viktor Órban, acusado de violar o Estado de direito, nomeadamente a independência do sistema judicial e dos meios de comunicação e infringindo direitos das minorias, e de não combater a corrupção.

O Colégio de Comissários reuniu-se este domingo, extraordinariamente, devido aos compromissos externos assumidos pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Notícia atualizada às 11h32
Ver comentários
Saber mais Hungria Bruxelas Comissão Europeia Estado de direito
Outras Notícias