Economia Chuvas de Março afastam seca meteorológica, barragens estão a encher

Chuvas de Março afastam seca meteorológica, barragens estão a encher

Nestes primeiros dias do mês já choveu uma vez e meia a duas vezes mais do que seria expectável para Março, afastando da generalidade do território as situações de seca extrema e forte. Das 61 albufeiras, só doze estão ainda com volumes de água abaixo dos 40% e ficam todas no sul do país.
Filomena Lança 09 de março de 2018 às 20:41

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) estima que nesta altura tenham já sido ultrapassadas as situações de seca severa e extrema que o país atravessava há menos de um mês e que permaneça apenas uma pequena parcela de seca moderada a Sul. Na prática, neste momento é possível afirmar que "a percentagem de água no solo é já próxima ou igual à capacidade de campo e que em algumas zonas os terrenos possam mesmo a começar a ficar saturados".

 

A explicação é de Fátima Espírito Santo, especialista do IPMA, segundo a qual as fortes chuvadas dos próximos dias provocaram em média, uma precipitação de 90 litros por metro quadrado, quando a média dos últimos 30 anos para o mês de Março é de 60 litros. Isto significa que, dependendo das zonas do país, "só em nove dias já choveu uma vez e meia a duas vezes mais do que é suposto chover durante todo o mês", explica.

 

As notícias são boas no que toca às perspectivas de seca, uma vez que, recorde-se, em meados de Fevereiro a baixa precipitação caída nos primeiros meses do ano voltou a atirar uma parcela de 9% do país para um nível de seca extrema - uma parte do interior norte, de Trás-os-Montes, a zona de Beja, no Baixo Alentejo, e uma outra no sotavento algarvio.

 

Actualmente, será apenas a Sul, onde apesar de tudo as chuvas não têm sido tão intensas, que prevalece uma situação de seca fraca a moderada, mas que terá também tendência a desaparecer. Sobretudo porque para os próximos dias as previsões continuam a ser de chuva.

 

A noite desta sexta-feira será já bastante agreste, segundo prevê o IPMA e, embora as condições melhorem amanhã durante a manhã, à tarde a chuva voltará a cair com força e a madrugada de Domingo voltará a ser marcada por fortes chuvas. Na segunda-feira haverá novamente chuva durante a tarde e na terça são estão também previstos aguaceiros.

 

Será, em suma, "uma situação de tempestade, embora com períodos de menor intensidade", resume Paula Leitão, também especialista do IPMA. A chuva cairá em todo o país, mas deverá ser mais intensa no centro e no Norte. 

 

Barragens já estão a recuperar, mas a Sul ainda longe da sua capacidade

 

A carregar o vídeo ...

No entanto, frisa Fátima Espírito Santo, estamos a falar de seca meteorológica. Quer isto dizer que uma coisa é a quantidade de chuva que cai e outra é a quantidade de chuva armazenada nos rios e albufeiras. E como estas desceram a níveis muito baixos, a recuperação está longe de ser imediata.

 

Segundo a Agência Portuguesa do Ambiente, a evolução dos volumes armazenados a 9 de Março evidenciava, comparativamente ao final do mês de Fevereiro de 2018, "um aumento em 11 bacias hidrográficas", muito embora os armazenamentos por bacia hidrográfica estarem ainda abaixo das médias de armazenamento para Março.

 

Contas feitas, das 61 albufeiras monitorizadas, dez apresentavam disponibilidades superiores a 80% do volume total, mas doze estavam ainda com volumes inferiores aos 40%. Aliás, "nas últimas duas semanas houve um aumento da percentagem de armazenamento em 49 albufeiras, das 58 monitorizadas", sendo que "nas bacias do Mondego, Tejo e Arade, oito albufeiras registaram um aumento superior a 20%".

 

É a sul que está a ser mais difícil a recuperação dos níveis das barragens. Na bacia do Sado, Fonte Serne está a 30% do seu volume total, Monte Gato a 10%, Pego do Altar a 24%, Roxo a 34%, Vale do Gaio a 22%, Campilhas  a 7%, Monte Miguéis a 12% e Monte da Rocha a 10%.

 

Na Bacia do Tejo destaca-se também pela negativa a barragem de Divor, que está ainda a 16% da sua capacidade de armazenamento e na bacia do Guadiana Vigia está a 19%,Caia a 27% e  Abrilongo a28%.




pub