Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Costa Silva defende consórcios internacionais para explorar recursos nacionais

António Costa Silva defende que Portugal crie consórcios internacionais para aproveitar os seus recursos estratégicos, como minérios fundamentais à transição energética, e que para os mercados internacionais desenvolva um selo verde da 'Marca Portugal' que diferencie o país.

Lusa
Lusa 10 de Julho de 2020 às 16:55
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...
Segundo a versão preliminar do plano de recuperação económica pedido pelo Governo, apesar das melhorias, Portugal tem de reforçar a atração de investimento externo, nomeadamente para recursos estratégicos -- como recursos minerais (lítio, cobalto, níquel, nióbio, tântalo, terras raras) importantes na transição energética (fabrico das novas baterias, indústria eletrónica de alta precisão) e o mar -- que "com uma visão a médio e longo prazo podem transformar-se em fontes de criação de riqueza e valor".

O consultor do Governo defende que o país desenvolva projetos para atrair investimento externo e desenvolver consórcios internacionais para aproveitar estes recursos, aprendendo com o que fez a Noruega para o desenvolvimento da sua indústria de petróleo e gás.

"Os países que estão interessados podem ser a Alemanha (que já concorreu no Pacífico à exploração de uma zona com sulfuretos polimetálicos), a França, os EUA e Canadá, para além do Japão e da Índia", afirma no documento.

Em eventuais consórcios internacionais, sugere a existências de cláusulas de salvaguarda da participação de empresas, centros de investigação e universidades portugueses, assim como que sejam incluídos nos contratos os três eixos de sustentabilidade (económica, ambiental e social).

Costa Silva sugere também um programa de apoio à internacionalização das empresas e que haja "um 'marketing' mais agressivo" para atrair a atenção para Portugal no mercado global, desde logo para o turismo, e a realização de 'show rooms' digitais de mostra de produtos e serviços portugueses.

Propõe ainda um programa de valorização dos produtos exportados, promovendo a "Marca Portugal" (evitando dispersão de marcas) e a criação de um selo de certificação do "esforço verde" da indústria portuguesa e da aposta em energias renováveis, diferenciando Portugal por essa via nos mercados internacionais .

"Esse selo deve ser emblemático e associado aos produtos nacionais com uma imagem de marca: 'Estes produtos portugueses foram produzidos no país que tem 57% da eletricidade gerada por fontes renováveis'", exemplificou.

No início de junho, o Governo confirmou que António Costa Silva tinha sido convidado para coordenar a preparação do programa de recuperação económica e que este tinha aceitado esse convite "como contributo cívico e 'pro bono'".
Ver comentários
Saber mais António Costa Silva
Outras Notícias