Economia Marcelo: Dívida pública grega é a questão que exige negociação mais atenta

Marcelo: Dívida pública grega é a questão que exige negociação mais atenta

O Presidente da República afirmou hoje que a Grécia vive "um stress" que antecede a saída do programa de assistência financeira e apontou a dívida pública grega como a questão que "exige uma negociação mais atenta".
Marcelo: Dívida pública grega é a questão que exige negociação mais atenta
Lusa
Lusa 13 de março de 2018 às 18:06

Sem querer fazer prognósticos sobre como será essa saída, Marcelo Rebelo de Sousa disse que o processo "está a ser tratado com uma perspectiva muito positiva, como ainda disse o presidente do Eurogrupo, o ministro Mário Centeno, há dois dias em Bruxelas".

 

O chefe de Estado falou aos jornalistas sobre este tema no Jardim Nacional, em Atenas, depois de um passeio a pé desde a Praça Syntagma, pela Avenida Andrea Syngrou, onde comprou um cachecol da Grécia para oferecer ao seu neto Francisco.

 

"Nós compreendemos muito bem aquilo que está a ser vivido na Grécia, que é um momento muito curioso e estranho ao mesmo tempo. Eles estão a muito pouco tempo de uma decisão em Abril, depois de uma decisão que é a definitiva em Junho e da saída em agosto", declarou.

 

Marcelo Rebelo de Sousa referiu que, durante a sua visita de Estado à Grécia, vários responsáveis gregos lhe disseram "que estão com um stress que antecede esse momento".

 

"E nós percebemos um pouco isso: o stress, primeiro, sobre como é que vai ser a saída e, depois, a seguir à saída. Que tipo de saída, lembram-se da discussão que havia em Portugal? Há uma saída, há duas saídas, há três saídas. Neste momento, estão nesse debate: que tipo de saída", prosseguiu.

 

O Presidente da República salientou, contudo, que a situação da Grécia não é igual à que Portugal viveu: "Há aqui uma dívida pública muito mais elevada e há outras questões mais complexas do que no caso português".

 

"A questão porventura mais diversa da nossa situação e que exige uma negociação mais atenta é, porventura, a da dívida pública. Quer dizer, como acomodar, no pós-saída, a realidade da dívida pública", acrescentou.

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 13.03.2018

Em comparação com Marcelo e o seu governo das esquerdas unidas, Obama foi um fanático ultra neoliberal: "Job shifts under Obama: Fewer government workers, more caregivers, servers and temps" www.pewresearch.org/fact-tank/2015/01/14/job-shifts-under-obama-fewer-government-workers-more-caregivers-servers-and-temps/ Os norte americanos podem dizer: "Obrigado Obama", do mesmo modo que os portugueses podem dizer: "Obrigado troika".

Anónimo 13.03.2018

Em comparação com Marcelo e o seu governo das esquerdas unidas, Obama foi um fanático ultra neoliberal: "Job shifts under Obama: Fewer government workers, more caregivers, servers and temps" www.pewresearch.org/fact-tank/2015/01/14/job-shifts-under-obama-fewer-government-workers-more-caregivers-servers-and-temps/ Os norte americanos podem dizer: "Obrigado Obama", do mesmo modo que os portugueses podem dizer: "Obrigado troika".

Anónimo 13.03.2018

Patrocina um excedentário a tua vida toda. Vota PS. E porque não dois ou três? Vota geringonça.

pub