Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Produção de hidrogénio traz investimento de 7 mil milhões na próxima década, prevê Governo

O Governo aprovou o Plano Nacional Energia e Clima 2030 e a Estratégia Nacional para o Hidrogénio, que definem a estratégia do país para a próxima década no que diz respeito à produção energética.

José Sena Goulão/Lusa
  • Assine já 1€/1 mês
  • 12
  • ...
O Governo aprovou, esta quinta-feira, 21 de maio, dois documentos que desenham a estratégia do país para a próxima década no que diz respeito à produção de energia. Os planos têm metas como a redução em até 55% da emissão de gases com efeito de estufa até 2030 e o incentivo à introdução gradual do hidrogénio como fonte energética. A produção de hidrogénio, prevê o Governo, deverá movimentar 7 mil milhões de euros em investimento na próxima década.

Em causa estão o Plano Nacional Energia e Clima 2030 (PNEC) e a Estratégia Nacional para o Hidrogénio (EN-H2), ambos aprovados em Conselho de Ministros. O primeiro vai passar a servir como "principal instrumento de política energética e climática nacional para a próxima década rumo a um futuro neutro em carbono", indica o comunicado do Conselho de Ministros.

Entre as metas inscritas no PNEC, está a redução, até 2030, de emissões de gases com efeito de estufa entre 45% e 55%, bem como o aumento da energia proveniente de fontes renováveis e uma redução de 35% no consumo de energia primária.

Quanto à EN-H2, o documento agora aprovado ficará em consulta pública, tendo como objetivo "introduzir um elemento de incentivo e estabilidade para o setor energético, promovendo a introdução gradual do hidrogénio enquanto pilar sustentável e integrado numa estratégia mais abrangente de transição para uma economia descarbonizada, enquanto oportunidade estratégica para o país".

Em conferência de imprensa, o ministro do Ambiente e Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, esclareceu que a estratégia para o hidrogénio deverá envolver um investimento total de 7 mil milhões de euros ao longo da próxima década, que será, na grande maioria, de origem privada.

"Cerca de 85% desse dinheiro é privado. Dentro dos 7 mil milhões de euros, há um grande projeto, que andará à volta dos 4,5 mil milhões, que é a construção de uma unidade de produção de hidrogénio em Sines. Tudo o resto é para construção de unidades mais pequenas", apontou o ministro.

Quanto à intenção do Governo de que Portugal comece a exportar hidrogénio, Matos Fernandes lembrou que a rede de gasodutos do país é recente e que, por isso, "70% desses gasodutos já estão prontos para distribuir hidrogénio", pelo que este objetivo poderá ser alcançado em breve.
Ver comentários
Saber mais conselho de ministros ambiente hidrogénio joão pedro matos fernandes energia
Mais lidas
Outras Notícias