Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Governo aprova estratégia do hidrogénio e garante que "não vai haver rendas excessivas"

Foi também aprovada a criação de um mecanismo de emissão de garantias de origem para gases de origem renovável, para que os consumidores saibam o peso de gases amigos do ambiente no respetivo mix de energia.

Lusa
Ana Batalha Oliveira anabatalha@negocios.pt 30 de Julho de 2020 às 15:18
  • Assine já 1€/1 mês
  • 13
  • ...

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira, 30 de julho, a Estratégia Nacional para o Hidrogénio. O anúncio veio acompanhado de uma garantia, dada pelo ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Matos Fernandes: "não vai haver rendas excessivas".

Embora "rendas excessivas" seja "um conceito de uma grande vacuidade", reconhece Matos Fernandes, o ministro assegura que "não, não vão haver rendas excessivas", depois de confrontado com a questão de se o hidrogénio vai pesar na fatura dos consumidores.

A estratégia que fica aprovada, de nome EN-H2, prevê um investimento de 7 a 9 mil milhões de euros em projetos de hidrogénio até 2030, o que representa a criação de entre 8.500 a 12.000 postos de trabalho (diretos e indiretos) e permite uma poupança entre os 380 milhões e os 740 milhões de euros em importações de gás natural, e 180 milhões no que diz respeito à amónia, estima o Governo. O objetivo é cumprir a meta de Portugal se tornar o primeiro país do mundo neutro em carbono, em 2050.

O ministro aproveitou a ocasião para rebater algumas das críticas que têm surgido da ala direita, nomeadamente do opositor Rui Rio, líder do PSD, que atribui a "desconhecimento" ou "mau aconselhamento". Por um lado, afirma que o desafio na área do hidrogénio não é uma questão de tecnologia, mas sim de escala. E, por outro, afirma que a comparação feita por Rio do investimento português, de 7 mil milhões, com os 9 mil milhões entregues na Alemanha a esta indústria é "errada".  Isto porque o número atribuído a Portugal refere ao total de investimento, público e privado, previsto para o setor do hidrogénio, enquanto que os 9 mil milhões germânicos referem aos fundos públicos que vão ser aplicados. Em Portugal, a componente pública está orçamentada nos 900 milhões.

De acordo com o comunicado emitido pelo gabinete da presidência do conselho de ministros, a decisão de aprovação da estratégia foi precedida por uma consulta pública e por seis sessões de debate com agentes da área da Inovação e Desenvolvimento, Indústria, Transportes, Energia, Formação, Qualificação e Emprego. Ou seja, foram ouvidas 87 empresas, associações e entidades do Estado. 

Entre os pontos principais da estratégia estão a criação de um projeto âncora de produção de hidrogénio verde, em Sines, a descarbonização do setor dos transportes pesados e da indústria nacional, a criação de um laboratório colaborativo para o Hidrogénio e a formalização de uma candidatura ao IPCEI (sigla da designação inglesa de Projeto Importante de Interesse Europeu Comum) Hidrogénio.

Ainda na mesma reunião entre os ministros foi dada luz verde a outra medida relacionada com o hidrogénio. Foi aprovado o decreto-lei que estabelece o mecanismo de emissão de garantias de origem para gases de baixo teor de carbono e para gases de origem renovável, com o "objetivo de comprovar ao consumidor final, através da emissão de certificados eletrónicos, a quota ou quantidade de energia proveniente de fontes renováveis presente no cabaz energético de um determinado fornecedor".

Ver comentários
Saber mais Conselho de Ministros João Matos Fernandes Hidrogénio Estratégia Nacional Energética Governo Portugal economia negócios e finanças política governo (sistema) executivo (governo) Informação sobre empresas economia (geral) grandes empresas
Mais lidas
Outras Notícias