Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

"O Revitalizar será um caso de benchmarking internacional"

O secretário de Estado da Economia, António Almeida Henriques, disse hoje estar convencido que o Revitalizar será um caso de benchmarking internacional quando estiver em execução.

João Carlos Malta joaomalta@negocios.pt 26 de Julho de 2012 às 20:44
  • Assine já 1€/1 mês
  • 12
  • ...
O secretário de Estado da Economia, António Almeida Henriques, disse hoje estar convenciado que “o Revitalizar será um caso de benchmarking internacional” quando estiver em execução. O governante anunciou também que até 30 de Setembro serão conhecidos as três entidades gestoras dos fundos regionais de gestão de recuperação de empresas, que no total vão ter a disposição 220 milhões de euros.

O concurso público que decorrerá no mês de Agosto, terá sempre três vencedores, um por cada região. O fundo da região Norte terá à disposição 80 milhões de euros, o Centrooutros 80 milhões de euros, e o de Lisboa, Vale do Tejo, Alentejo e Algarve terá os restantes 60 milhões. “Não queremos ter só uma entidade gestora para criar um verdadeiro mercado de fundos de recuperação”, explica Almeida Henriques.

A este concurso poderão concorrer apenas entidas com “experiência demonstrada da equipa de gestão de fundos de capital de risco, em operações de capital de risco e na gestão de empresas”, “experiência na economia da região em causa”, e que demostrem o “grau de dedicação da equipa”. Os concorrentes terão ainda de apresentar o plano de actividades e política de investimento, a descrição da actividade da entidade de gestão, e a identificação da estrutura de recursos humanos que pretende afectar a gestão.

O secretário de Estado da Economia frisa que não serão aceites entidades gestoras que tenham como accionistas directos e indirectos, instituições de crédito ou participantes detenham mais de 10% do seu capital. O conselho de administração das entidades gestoras e as equipas de gestão não poderão exercer quaisquer cargos em instituições de crédito ou noutros participantes dos Fundos que detenham, directa ou indiretamente, mais de 10% do seu capital.

O modelo de gestão de cada fundo Revitalizar deverá incluir um órgão que participe, a título consultivo, na decisão sobre as intervenções nas empresas, devendo o mesmo integrar representantes dos participantes privados, do ministério da Economia e do Emprego, da sua participada instrumental PME Investimentos e do QREN. As entidades gestoras estão obrigadas à apresentação de relatórios periódicos de situação, à disponibilização de um sistema de informação e a uma contabilidade separada e organizada.

De acordo com a prática de mercado, os fundos Revitalizar terão um período de investimento, seguido de um período de desinvestimento. O período de investimento dos fundos Revitalizar deverá ser de seis anos, contados a partir da data de realização da primeira tranche de capital, a que se deverá seguir uma fase de desinvestimento por outros seis anos, acrescido eventualmente de um período adicional até dois anos. Cada tranche, que tem o prazo de um ano, terá o tecto máximo de 1,5 milhões de euros, e dada a validade deste instrumento poderá atingir no limite 4,5 milhões de euros por cada projecto.

A realização de capital tem como data limite 30 de Junho de 2015, salvo se outra data posterior for autorizada pela autoridade de gestão dos fundos do QREN.
Ver comentários
Saber mais Revitalizar
Mais lidas
Outras Notícias