Emprego UGT vai exigir aumento do salário mínimo para 615 euros

UGT vai exigir aumento do salário mínimo para 615 euros

Carlos Silva voltou a qualificar o salário mínimo português de "miserável" e reforçou que é preciso que o país faça um "esforço" para dar mais a quem menos recebe.
UGT vai exigir aumento do salário mínimo para 615 euros
Lusa 08 de setembro de 2018 às 18:22
O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, reiterou este sábado que a central sindical vai propor que o salário mínimo nacional seja aumentado em 2019 dos actuais 580 euros para 615 euros mensais, avança a agência Lusa.

"Eu já disse que o salário mínimo em Portugal é miserável", afirmou o dirigente sindical, no encerramento do Congresso Regional da UGT/Açores, realizado na Horta, acrescentando que a UGT vai propor, em sede de concertação social, que "o salário mínimo passe para os 615 euros no próximo ano".


Para Carlos Silva, "é preciso que o país" faça este "esforço" de dar mais a quem menos recebe, recordando que só no sector público existem cerca de 200 mil funcionários a auferir o salário mínimo nacional, sem contar com os que estão no sector privado a receber o mesmo salário "miserável".


"Basta olharmos para os salários dos restantes países europeus, para percebermos que o salário mínimo em Portugal é um dos mais miseráveis da Europa", insistiu o secretário-geral da UGT, advertindo o Governo da República para a necessidade de encetar negociações com vista a aumentar salários no próximo ano.


Carlos Silva lamentou, por outro lado, que o Governo e os sindicatos de professores não tenham chegado a acordo em relação à contagem do tempo de serviço, que considerou ser uma reivindicação "justa" da classe docente, ou de qualquer outra classe trabalhadora.


"Não podemos dizer a um trabalhador que o tempo que ele andou a trabalhar não conta como tempo de serviço! Não contem com isso!", disse o líder da UGT, lamentando que o próximo ano lectivo arranque, não de forma "estável", mas já com "problemas".


Também Francisco Pimentel, coordenador da UGT/Açores, que foi reeleito no Congresso Regional para mais um mandato, insistiu na necessidade de serem aumentados os salários nos Açores em 2019, e em especial a remuneração complementar, destinada a suportar os encargos com a insularidade.


"Não é eticamente, nem moralmente aceitável, não haver aumentos em 2019", realçou o dirigente açoriano, apelando ao Governo Regional de Vasco Cordeiro e ao grupo parlamentar do PS na Assembleia Regional, que tem maioria absoluta, para que dê um sinal nesse sentido.


Para Francisco Pimentel é também fundamental "repor a carga fiscal" nos Açores, para os valores praticados antes da entrada da troika em Portugal, sobretudo sem sede de IRS e de IVA.


"É da mais elementar justiça repor a carga fiscal, repor rendimentos, porque o custo de vida nos Açores penaliza os trabalhadores da região", em comparação com os do resto do país, justificou o dirigente sindical.




pub