Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Apesar das sanções, excedente corrente russo mais do que triplica até abril

O excedente da balança corrente russa mais do que triplicou nos primeiros quatro meses do ano para 95,8 mil milhões de dólares. Os especialistas divergem sobre se o embargo europeu ao petróleo russo pode cortar o excedente este ano.

O excedente da balança corrente russa mais do que triplicou nos primeiros quatro meses do ano para 95,8 mil milhões de dólares, em termos homólogos de acordo com os dados do Banco Central Russo citados pela Bloomberg.

Este saldo positivo na balança corrente, o indicador mais amplo da balança comercial para o comércio de bens e serviços, foi o mais alto desde pelo menos 1994.

O fluxo constante das receitas provenientes da energia e de outras exportações em conjunto com os controlos de capital impostos pelos banco central contribuíram para este resultado, apoiando o rublo apesar das sanções impostas pelo Ocidente.

No primeiro trimestre, o banco central reportou um excedente de 58,2 mil milhões de dólares, o que significa que no mês passado o superavit chegou a 37,6 mil milhões de dólares.

Para alguns especialistas, no entanto, estes bons números podem não durar para sempre. "É pouco provável que este excedente na conta corrente dure muito mais tempo, no meio de sanções tão severas", defendeu Olga Belenkaya, economista da Finam, em declarações à Bloomberg.

Já a Capital Economics discorda, prevendo que mesmo com o embargo europeu ao ouro negro russo, o excedente da conta corrente do país liderado por Vladimir Putin pode chegar a 264 mil milhões de dólares este ano, mais do dobro do 122 mil milhões de dólares contabilizados em 2021.

Depois das sanções impostas contra o carvão russo, Bruxelas está a trabalhar para que todos os Estados membros votem a favor da aplicação de sanções contra o petróleo e derivados russos, colocando um ponto final à dependência europeia de Moscovo até ao final do ano.

Ver comentários
Saber mais Bloomberg Banco Central Russo economia negócios e finanças energia macroeconomia economia (geral) minérios e metais conjuntura
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio