Função Pública Aumentos na função pública? Centeno nunca disse nunca

Aumentos na função pública? Centeno nunca disse nunca

Mário Centeno, ministro das Finanças, em entrevista à TSF não fecha a porta a aumentos salariais. Dependem dos equilíbrios que forem encontrados no âmbito do orçamento para 2019.
Aumentos na função pública? Centeno nunca disse nunca
Miguel A. Lopes/Lusa
Negócios 17 de abril de 2018 às 08:00
O ministro das Finanças, Mário Centeno, não fecha totalmente a porta a aumentos da função pública em 2019. "Nunca me ouviu dizer a palavra nunca e também não vai ser agora", declarou em entrevista à TSF.

Ainda que tenha afirmado haver um conjunto de matérias "muito significativas" do lado da administração pública que o Governo tem vindo a concretizar, como o descongelamento das progressões - que segundo diz "vai aproximar-se de todos" porque "80% é o número estimado dos funcionários cuja progressão não depende do tempo e que vão ter progressões em 2018 e, portanto, depois também em 2019 e 2020" - ou o recrutamento em áreas que têm estado fechadas a novas admissões, Mário Centeno não fecha totalmente a porta a aumentos salariais na função pública. 

"Os equilíbrios que forem encontrados no âmbito do Orçamento do Estado para 2019 ditarão qual é o desenho final", declarou à TSF.

Apesar desta declaração, Mário Centeno só faz o compromisso de prosseguir o descongelamento de carreiras em 2019. Até porque deixa o alerta: "O Orçamento é um exercício de equilíbrios, desde logo porque não há orçamentos sem receitas e não há orçamentos sem despesas. A aceitação daquilo que é a capacidade orçamental em Portugal é uma decisão colectiva que tem de satisfazer obviamente um conjunto de compromissos que já estão assumidos".

Mas vai dizendo que ainda não se está na fase de discussão do Orçamento do Estado para 2019. "
Temos linhas de condução para esse Orçamento, elas decorrem o que foram as posições conjuntas, do que são os compromissos. Os compromissos sobre o défice a trajectória da dívida estavam no programa eleitoral e no programa de Governo e foram transpostos de forma adequada no programa de Governo com essa trajectória", respondeu quando questionado pela TSF sobre a possibilidade de Bloco de Esquerda ou PCP poderem chumbar o Orçamento para o próximo ano.

E aproveita para partilhar com as esquerdas os resultados do lado orçamental. "Quero aproveitar para dizer que essa responsabilidade e a responsabilidade na discussão das matérias orçamentais que temos visto em 2016 e 2017 e 2018 são partilhadas por todos os partidos que aprovam os orçamentos no Parlamento.E isso diz muito daquilo que é o trabalho muito profícuo que temos tido em conjunto. Não acho que deva haver propriedade de ninguém destes resultados, porque na verdade não é assim que se coloca. Existem dificuldades, mas não devemos desistir à primeira". Acredita, no entanto, que o entendimento para o documento de 2019 é possível.

(Notícia actualizada às 8:24 com mais declarações)



A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo Há 3 dias

O parasitismo económico-social tem limites.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 dias

Portugal deve seguir o exemplo da Alemanha:

http://www.jornaldenegocios.pt/economia/europa/uniao-europeia/zona-euro/detalhe/funcao-publica-na-alemanha-consegue-tres-aumentos-salariais-ate-2020?ref=HP_Destaquestr%C3%AAsnot%C3%ADcias

Anónimo Há 3 dias

A caminho do Parlamento Europeu eu vou eu vou.De tanga eu vou deixar estes parvalhões, eu vou, eu vou. Quero lá saber se vão estragar todos os cortes, eu vou, eu vou. E quando derem por isso, estou como o Durão Barroso, a caminho da Goldman Sachs, eu estou, eu estou. Que grandesTANGAS eu dou,eu dou!

Telmo Há 3 dias

Os reformados e funcionários vão levar o máximo 1,4% de aumento pois meteram tudo na CGD e Novo Banco.

pertinaz Há 3 dias

ESTE SEM TINO REVELOU-SE UM MALABARISTA TRAMBIQUEIRO DO PIOR...!!!

ver mais comentários
pub