Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Frente Comum quer aumento salarial de 4% no próximo ano

"Somos inflexíveis": é o aviso de Ana Avoila para Mário Centeno, a menos de três semanas da data limite de entrega da proposta de Orçamento do Estado.

Pedro Catarino/Correio da Manhã
Lusa 29 de Setembro de 2016 às 15:41
  • Assine já 1€/1 mês
  • 42
  • ...

A coordenadora da Frente Comum dos Sindicatos da Administração Pública, Ana Avoila, entregou no Ministério das Finanças a proposta reivindicativa para a administração pública para 2017, que prevê aumentos salariais de 4% e o descongelamento da progressão nas carreiras.


"Somos inflexíveis, se se pode falar assim, na negociação do aumento dos salários, das pensões e no descongelamento das carreiras", disse na quinta-feira, 29 de Setembro, a dirigente sindical numa conferência de imprensa à saída do Ministério das Finanças e após uma delegação da Frente Comum ter entregado a proposta reivindicativa comum a todas as carreiras profissionais e a todos os sindicatos da administração pública para 2017, independentemente das negociações sectoriais.


Na quarta-feira, a Cimeira dos Sindicatos da Administração Pública aprovou a proposta reivindicativa, na qual constam algumas reivindicações, como por exemplo, um aumento de 4% dos salários, com um mínimo de 50 euros por trabalhador, de 6,5% para o subsídio de almoço, que neste momento é 4,27 euros, e de 4% de aumento para as pensões.


"É preciso que o ministro das Finanças [Mário Centeno] faça uma contraproposta e respeite o prazo que nós damos, isto é, até ao dia 14 de Outubro, porque o Orçamento de Estado para 2017 é entregue a 14 ou a 15 e não faz sentido estarmos a discutir matérias com um orçamento que já está feito", declarou a dirigente sindical.


A questão prioritária para a Frente Comum "é o aumento dos salários, o descongelamento das progressões remuneratórias, a abertura de concursos e as 35 horas", salientou Ana Avoila, lembrando que os trabalhadores da administração pública "não podem continuar sem aumentos de salários".


Além disso, também não se pode dizer que "se gasta muito dinheiro" porque, segundo explicou Ana Avoila, no primeiro ano em que congelaram as carreiras, "o Governo arrecadou 487 milhões de euros nesse ano" e a Frente Comum propõe agora "um aumento salarial que se fica pelos 593 milhões de euros no total [num ano]".

"Os trabalhadores da administração pública têm direito a aumentos salariais anuais e à evolução nas carreiras, para compensar o efeito dos cortes e congelamentos que reduziram drasticamente os seus rendimentos nos últimos anos", disse na quarta-feira à agência Lusa a dirigente sindical.


O objectivo da Frente Comum ao entregar a proposta no Ministério das Finanças é dar tempo ao Governo para que este responda às reivindicações antes da apresentação do Orçamento do Estado para 2017.


Além dos aumentos salariais e das pensões e do descongelamento das carreiras, a Frente Comum reivindica a reposição do valor do trabalho extraordinário e do horário de trabalho semanal de 35 horas para "todos os trabalhadores de todos os serviços", disse Ana Avoila.


O fim do pagamento do subsídio de Natal em duodécimos, o desagravamento da carga fiscal e o aumento do Salário Mínimo para os 600 euros são outras das reivindicações da estrutura sindical afecta à CGTP.

Ver comentários
Saber mais Frente Comum dos Sindicatos da Administração Pública Ana Avoila Ministério das Finanças Mário Centeno aumentos salários 4% 2017 Orçamento do Estado
Mais lidas
Outras Notícias