Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Santa Casa pode perder concessão exclusiva de jogos de fortuna ou azar na internet

Tribunal de Justiça conclui que "regra técnica" criada pelo Estado português devia ter sido comunicada à Comissão Europeia. Santa Casa pode perder concessão exclusiva de jogos de fortuna ou azar na internet.

Correio da Manhã
Vicente Lourenço vicentelourenco@negocios.pt 22 de Outubro de 2020 às 11:17
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...
A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa perdeu hoje o processo movido contra a Sportingbet e a Internet Opportunity Entertainment Limited (IOE). Em causa estava o facto de as entidades terem criado um site de jogos de fortuna ou azar, quando a exploração de jogos no território nacional está a cargo da Santa Casa. A concessão foi atribuída de forma exclusiva pelo Estado português.

No entanto, o Tribunal de Justiça entendeu que isso se trata da criação de uma "regra técnica", a qual deve ser comunicada à Comissão Europeia para que possa ser fiscalizada. O incumprimento da obrigação constitui um vício processual, punido com a inaplicabilidade das regras. Como tal, os particulares podem pedir a um juiz nacional que invalide a "regra técnica" que não foi notificada em conformidade com a Diretiva Europeia, disse esta quinta-feira o Tribunal de Justiça.

O acórdão proferido pode assim ditar o fim da concessão exclusiva dos jogos de fortuna ou azar na Internet da Santa Casa. Contudo, importa realçar que a decisão do Tribunal de Justiça não resolve o litígio nacional, cabendo ao órgão jurisdicional decidir o processo em conformidade com a decisão do Tribunal de Justiça.

O processo teve origem na ação movida pela Santa Casa contra o Sporting Clube de Braga e o Sporting Clube de Braga - Futebol SAD, por um lado, e contra a IOE e a Sportingbet, por outro. O contrato celebrado entre o Sporting Clube de Braga e a Sportingbet levou os bracarenses a promoverem o site de jogos de fortuna e azar nas épocas de 2006/2007 e 2007/2008. 

Numa primeira instância, o órgão jurisdicional decidiu declarar a nulidade dos contratos de patrocínio e a ilegalidade da atividade da IOE e da Sportingbet, condenado as entidades a absterem-se de explorar, por qualquer forma, jogos de lotarias e apostas mútuas. O recurso interposto pela IOE e pela Sportingbet viria depois a ser negado pelo Tribunal da Relação de Guimarães. A IOE e a Sportingbet decidiram então recorrer para o Supremo Tribunal de Justiça, que submeteu as questões ao Tribunal de Justiça.
Ver comentários
Saber mais Santa Casa Sportingbet Tribunal de Justiça Jogo
Outras Notícias